Portugueses preparam-se mais cedo para a reforma

  • ECO Seguros
  • 28 Outubro 2019

Estudo da Nielsen para a Cetelem demonstra que um terço dos portugueses antecipam a reforma acautelando o seu orçamento familiar através do recurso a produtos financeiros. 

Segundo dados do inquérito Observador Cetelem Literacia Financeira 2019, realizado pela consultora Nielsen, um terço dos portugueses (34%) prepara a reforma destacando-se como método preferencial, o depósito numa conta a prazo (16% contra os 12% em 2018). Com o envelhecimento da população e o aumento da idade da reforma, a preocupação dos portugueses com essa fase da vida parece estar reforçada.

Relativamente ao ano transato, o estudo – que se baseia numa amostra representativa de 500 indivíduos residentes em Portugal Continental, com idades entre os 18 e os 74 anos – mostra um aumento de procura às opções de recurso aos Planos de Poupança Reforma e aos Certificados de Aforro enquanto escolhas dos inquiridos. Em contraposição, alguns produtos bancários, como as “Ações e Obrigações”, passaram de 6%, em 2019, e 3%, em 2019.

Também se denota um maior conhecimento das alternativas e da generalidade dos produtos financeiros e, ao contrário, a subscrição de seguros de vida apresentou um decréscimo, assim como o recurso a cheques.

As pessoas com idades entre os 25 e os 34 anos são as que mais se preparam para esta fase (43%), seguindo-se dos adultos entre os 35 e os 54 (42%). No que respeita às zonas do país onde moram os inquiridos que mais demonstram preocupação com a reforma, destaca-se a região Centro.

No que respeita à avaliação da literacia financeira da sociedade, em 2019, o estudo concluiu que “43% dos portugueses consideram que a sociedade tem um conhecimento ‘Muito Bom’ ou ‘Bom’ (29% em 2018), tendo aumentado a percentagem de portugueses que defendem que o nível de conhecimento da sociedade é “Mau” (10% em 2018 versus 11% em 2019).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses preparam-se mais cedo para a reforma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião