Chubb Portugal lança ferramentas para análise de ciberiscos

  • ECO Seguros
  • 29 Outubro 2019

Um guia de gestão de riscos cibernéticos e atualização do site de ciberiscos são novidades que a sucursal portuguesa da Chubb acaba de lançar. Nova apólice facilita apresentação de queixas.

A Chubb European Group Limited – Sucursal em Portugal lançou duas novas ferramentas de apoio à Gestão de Riscos Cyber: O Guia de Gestão de Riscos Cibernéticos e o novo Chubb Cyber Index.

O Guia de Gestão de Riscos Cibernéticos é interactivo e serve para apoiar o mercado numa melhor compreensão do risco Cyber e os seus impactos nas empresas. Com ele a companhia também sintetizou a estrutura da apólice e melhorou a forma como a mesma funciona em caso de sinistro.

Paralelamente foi relançado o Chubb Cyber Index, em versão atualizada. Esta ferramenta permite que um maior número de pessoas tenha acesso à base de dados da Chubb que analisa os vários sinistros cibernéticos ocorridos nos últimos 10 anos. Pode ser consultada de diversos formas como, entre outras, por eventos cibernéticos, indústria ou atividade,

Em termos práticos, a Chubb exemplifica que tanto se poderá verificar o custo médio por sinistro para uma empresa de software com uma facturação de 50 milhões de dólares como para uma empresa de Web Hosting com uma facturação de 1 bilhão de dólares. Esta informação – segundo a Chubb – permitirá ajudar a estabelecer limites de indemnizações para futuras apólices.

Além destes dados, a empresa remete para o site onde estão disponíveis outros documentos e vídeos úteis para uma melhor aprendizagem sobre os riscos cibernéticos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chubb Portugal lança ferramentas para análise de ciberiscos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião