i2S quer oferecer flexibilidade em software de seguros

  • ECO Seguros
  • 30 Outubro 2019

A empresa de software para a indústria seguradora reuniu clientes e parceiros para debater flexibilidade nas tecnologias utilizadas de forma a poderem ser mais rápidas no mercado.

A i2S, empresa de software especializada na indústria de seguros, reuniu para o encontro i2S User Group’19 cerca de 150 participantes de diferentes geografias.

Durante o evento Gastão Taveira, CEO da i2S , acentuou a necessidade de flexibilidade, num painel em que também intervieram Rodolphe Peim, da Gfi, Manuel Leiria, Investigador e Consultor da AFIP, Carlos Calvin, da Munich RE, Rodrigo Rueda, da Entelgy, para além de Marco Perestrelo e Manuel Ribeiro, ambos da i2S.

Em outro painel, Gonçalo Oliveira, da Seguradoras Unidas e Luiz Ferraz, da Prévoir-Vie, testemunharam sobre a forma como a i2S “potenciou e potencia a flexibilidade no negócio das companhias a que pertencem”, diz a empresa em comunicado.

Por último realizou-se um debate sobre “Prioridades para ser uma seguradora flexível”, sendo este painel de discussão constituído por alguns dos intervenientes do dia: Gastão Taveira, Carlos Calvin, Manuel Leiria, Gonçalo Oliveira e Luis Ferraz.

Debate final da i2S User Group’19: Carlos Calvin de Munich RE, Manuel Leiria da AFIP, Gastão Taveira da i2S, Luiz Ferraz da Prévoir-Vie e Gonçalo Oliveira, da Seguradoras Unidas.

A empresa de software i2S tem forte posição nos mercados de seguros de Portugal, Angola e Moçambique, com implementações em vários outros países, num total de mais de 40 companhias de seguros. Tem um volume de negócios anual de mais de 13 milhões de euros.

Foi recentemente adquirida pelo grupo Gfi, empresa de software e de serviços de TI de valor acrescentado. Em conjunto, a Gfi e a i2S empregam cerca de 400 colaboradores especializados no segmento de software para seguros Vida, Não Vida e Pensões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

i2S quer oferecer flexibilidade em software de seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião