Aon reforça M&A com Bruno da Silva e Marcos Oliveira

  • ECO Seguros
  • 11 Novembro 2019

Com as fusões e aquisições de empresas a crescer em quantidade e complexidade na zona da Europa, Médio Oriente e África, a AON decidiu aumentar a equipa de M&A baseada em Lisboa.

A Aon Portugal acaba de anunciar o reforço da sua área de M&A – Mergers & Acquisitions (fusões e aquisições) com a contratação de Marcos Oliveira e Bruno da Silva. Cada um dos profissionais tem cerca de 20 anos no mercado, tendo passado pela Allianz e pela EY e Willis Towers Watson, respetivamente.

Bruno da Silva e Marcos Oliveira: ” Os desafios são crescentes face aos riscos que as operações de fusões e aquisições comportam”.

“As entradas do Marcos e do Bruno trazem à área de M&A da Aon Portugal uma solidez, conhecimento e expertise essenciais para a abordagem que queremos reforçar no mercado e para o apoio que prestamos aos nossos atuais e potenciais clientes”, refere Pedro Penalva, CEO da Aon Portugal, acrescentando “não só as necessidades desta área estão em constante mutação, como os desafios são crescentes face aos riscos que as operações de fusões e aquisições comportam, atualmente”, conclui.

Marcos Oliveira é Licenciado em Direito pela Universidade de Direito de Lisboa e tem uma experiência profissional de mais de 20 anos. Nos últimos 15 esteve na Allianz Portugal – onde foi coordenador na área de Sinistros, Subscrição e Gestão de Produtos, nos ramos Patrimoniais, Responsabilidade Civil e Engenharia e, mais recentemente, nos ramos Responsabilidade e Transportes, Resseguro e Governance.

Bruno da Silva esteve cerca de 11 anos na Willis Towers Watson, em Londres e São Francisco, onde apoiou multinacionais de referência em processos de diligência e na implementação de projetos de transações transfronteiriças. Antes, trabalhou na EY e na Mercer, em Paris e Lisboa. Baseado em Lisboa, terá amplas responsabilidades na região EMEA (Europa, Médio Oriente e África).

“A área de M&A da Aon tem crescido significativamente na região EMEA”, afirma a empresa. No total, a Aon conta com cerca de 100 profissionais que apoiam clientes em operações de fusões e aquisições de complexidade e dimensão variadas. A Aon tem um registo de apoio a empresas na gestão do risco associado a fusões e aquisições, em todas as fases da operação, e na transferência de seguros de responsabilidade civil por transação do que qualquer outra empresa do setor.

Um recente Relatório da Aon revela que a adesão a seguros para M&A está a aumentar significativamente na EMEA face aos riscos associados às transações. O Relatório, produzido em parceria com a Longitude, uma empresa do Financial Times, mostra que o número de transações de M&A seguráveis pela Aon na região EMEA mais do que triplicou desde 2014, passando de 83 para 316.

A Aon plc é uma empresa mundial de serviços profissionais que propõe soluções de risco, reforma e saúde. Com 50 mil colaboradores em 120 países tem como objetivo entregar os melhores resultados através de proprietary data & analytics para fornecer insights que reduzam a volatilidade e melhorem o desempenho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aon reforça M&A com Bruno da Silva e Marcos Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião