AXA desiste de experiência baseada em blockchain

  • ECO Seguros
  • 14 Novembro 2019

A AXA decidiu terminar com o fizzy, uma experiência com base em blockchain e que propunha uma solução paramétrica de seguro para voos atrasados. O sector da aviação não mostrou interesse.

A AXA, uma das primeiras a recorrer ao blockchain e que integra o consórcio B3i (Blockchain Insurance Industry Initiative), lançou o fizzy há dois anos e o objetivo era promover a automação, a transparência e a confiança do consumidor.

Na página atual do produto pode ler-se “Sorry, but the fizzy experience is over”, assegurando que as apólices já contratadas continuam válidas, e assegurando que a equipa vai continuar em frente.

A tecnologia, utilizando a criptomoeda Ether, tinha permitido criar o produto fizzy destinado a atrasos e cancelamentos de voos. Ao fim de duas horas para além da hora marcada, a indemnização era paga ao segurado de forma automática por débito em conta, sem necessidade de reclamação.

No entanto “o interesse da indústria da aviação/viagens por esta solução não foi suficientemente forte” e daí a decisão de terminar o projeto, afirmou o responsável do projeto, Laurent Benichou, num comentário publicado no LinkedIn.

“É certamente triste, mas esta é uma verdade da inovação: alguns projetos fazem o seu caminho no mercado, outros não”, escreveu o responsável.

Apesar deste insucesso a seguradora considera que aprendeu com projeto e a equipa envolvida no fizzy vai manter-se ativa nesta área das “criptosoluções” e na proteção das pessoas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AXA desiste de experiência baseada em blockchain

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião