Allianz e Microsoft juntam-se para transformar os seguros

  • ECO Seguros
  • 17 Novembro 2019

As duas companhias de alcance mundial reúnem esforços para melhor aproveitar os desenvolvimentos digitais de cada um e aplicá-los à indústria seguradora.

A Allianz e a Microsoft anunciaram uma parceria estratégica focada na transformação digital do setor de seguros. O objetivo é facilitar processos e criar uma melhor experiência para as companhias de seguros e os seus clientes.

Aliança de gigantes: Jean-Philippe Courtois, EVP and president da Microsoft Global Sales, Marketing & Operations e Christof Mascher, COO da Allianz

Num comunicado publicado no seu site, a Microsoft afirma que fará uma parceria com a Syncier, a insurtech B2B2X fundada pela Allianz, para oferecer soluções personalizadas de plataforma de seguros e serviços.

Na prática, a Allianz transferirá as partes principais da sua plataforma global de seguros Allianz Business System (ABS) para a nuvem Azure da Microsoft e partes de código aberto do núcleo da solução para melhorar e expandir os recursos.

A Syncier oferecerá uma versão configurável da solução chamada ABS Enterprise Edition aos fornecedores de seguros como um serviço, permitindo que “beneficiem de uma das plataformas de seguros mais avançadas e abrangentes do setor, reduzindo custos e centralizando a gestão do seu portfólio de seguros”.

“A parceria com a Microsoft e o aproveitamento da plataforma de nuvem segura e confiável do Azure vão apoiar-nos na digitalização do setor de seguros“, disse Christof Mascher, COO e membro do conselho de administração da Allianz SE.

Para Jean-Philippe Courtois, vice-presidente executivo e presidente de vendas globais da Microsoft, as duas empresas “estão a propor uma solução que combina o profundo conhecimento da Allianz do setor de seguros com a confiável plataforma de nuvem Azure da Microsoft”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Allianz e Microsoft juntam-se para transformar os seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião