Aviva investe 1,3 mil milhões para melhorar a companhia

  • ECO Seguros
  • 24 Novembro 2019

Proporcionar melhores experiências aos clientes particulares e empresariais, foco nas subscrições, sinistros, desempenho dos investimentos e eficiência fazem parte da agenda a três anos.

A segurada britânica Aviva anunciou que investirá 1,3 mil milhões de libras nos próximos três anos para simplificar, fortalecer e melhorar o negócio da companhia. Esta é uma das três prioridades anunciadas durante uma apresentação feita na semana passada ao mercado de capitais.

As outras duas prioridades são proporcionar melhores experiências aos clientes, quer particulares, quer empresariais, e foco nas subscrições, sinistros, desempenho dos investimentos e eficiência de custos.

Numa informação publicada no seu site, a Aviva informa que passa a estar organizada em cinco unidades operacionais: investimentos, poupanças e reformas; vida Reino Unido; seguros gerais; vida Europa; vida Ásia.

Na unidade de investimentos, poupanças e reformas o principal desafio é ajudar as pessoas a pouparem dinheiro suficiente para a reforma. No Reino Unido a prioridade será capitalizar a posição de mercado que a companhia já tem para aumentar o nível de cash-flow. Nos seguros gerais o objetivo é aumentar a eficiência, na Europa pretende-se focar na rede e na Ásia será mantida a operação em Singapura e na China.

Entre os seus objetivos financeiros para os próximos três anos aponta-se para uma redução de custos de 300 milhões de libras. O lucro operacional deverá situar-se entre os 300 e os 400 milhões de libras, em 2018.

Maurice Tulloch, CEO do grupo, afirma que a Aviva está a investir “em novos serviços, novos produtos e nova tecnologia e espera crescer e dar retorno aos seus acionistas”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviva investe 1,3 mil milhões para melhorar a companhia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião