Portugal foi o terceiro país europeu onde as despesas com a casa mais subiram na última década

Somando a casa, a água, a eletricidade, e outros combustíveis, as famílias portuguesas viram os encargos com essas despesas subirem 2,7 pontos percentuais na última década.

As famílias portuguesas estão, a nível europeu, entre as que viram a fatura com as despesas da casa aumentar mais na última década. Segundo dados divulgados pelo Eurostat, nesta quarta-feira, Portugal ocupa a terceira posição nesse ranking de subidas, apenas atrás da Finlândia e da Holanda.

De acordo com o gabinete europeu de estatísticas, as despesas domésticas das famílias portuguesas — incluindo casa, água, eletricidade e outros combustíveis — cresceram 2,7% pontos percentuais, entre 2008 e 2018. Portugal está assim atrás apenas a Finlândia e da Holanda, onde os encargos com este tipo de despesas aumentaram 4,8% e 3,1%, respetivamente, na Europa.

Apesar desse aumento, a nível europeu, as famílias portuguesas continuam a ser das que dedicam uma fatia mais baixa dos respetivos orçamentos aos encargos com a casa. No final de 2018 correspondiam a 17,6% do orçamento — o quinto peso mais baixo da União Europeia — e envolvendo um valor global de cerca de 24,66 mil milhões de euros.

Peso das despesas com a casa nos diferentes países da UE em 2018

Fonte: Eurostat | Dados sobre a Grécia são relativos a 2017

O valor nacional compara ainda com uma proporção média de 24% dos orçamentos a nível europeu, onde de forma agregada as despesas domésticas ascenderam no ano passado a 2,1 biliões de euros, ou o equivalente a 13% do Produto Interno Bruto Europeu.

No grosso das despesas das famílias, os encargos com a casa são os que mais pesam, à frente da alimentação e bebidas não alcoólicas (16,4%), dos transportes (13,4%) e dos gastos com restaurantes e hotéis (13,2%).

(Notícia atualizada às 11h00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal foi o terceiro país europeu onde as despesas com a casa mais subiram na última década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião