Mediadores angolanos querem mais quota de mercado

  • Lusa
  • 1 Dezembro 2019

Vão ser formados 2 mil mediadores num ano para Capacitar os agentes de distribuição, promover e aumentar o nível da atividade seguradora em Angola.

Os mediadores de seguros de Angola manifestaram a intenção de aumentar o nível da atividade seguradora no país, cuja atual taxa está “estimada em 1%”.

Segundo o diretor geral da Royal Seguros Angola, Edgar Massala, a taxa da atividade seguradora no país regista “números baixos”, na ordem de 1%, e os operadores do setor ficariam satisfeitos com “4% ou 5%”, estando prevista a formação de 2.000 jovens para inverter o quadro.

“Quanto à taxa de penetração ainda encontramos números baixos, acreditamos que em colaboração com a Associação dos Mediadores de Seguros de Angola (AMSA) e com o esforço que pretendemos fazer em relação à nossa escola de mediação que vai formar 2.000 jovens nos próximos 12 meses podemos alterar os números atuais”, afirmou.

Capacitar os agentes de distribuição e mediadores de seguros, promover a atividade seguradora em Angola e aumentar o nível da atividade seguradora em Angola são alguns dos objetivos da associação.

O presidente da AMSA, Celestino Pelé, u assumiu que a crise económica, financeira e cambial que se regista no país teve “reflexos negativos” na atividade seguradora.

“O mercado nessa altura também sofre e não há mercado segurador que possa desenvolver sem economia, porque o mercado segurador protege os bens patrimoniais e não patrimoniais e as pessoas só terão esses bens se tiverem meios financeiros”, apontou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mediadores angolanos querem mais quota de mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião