Entre os animais e a Notre-Dame. O sétimo número da revista Electra

  • ECO
  • 2 Dezembro 2019

À sétima edição, a revista de pensamento da Fundação EDP olha para o papel dos animais hoje e um dos acontecimentos que marcou 2019, o incêndio na catedral da Notre-Dame em Paris.

A um mês do fim de 2019, já pode fazer este balanço: a consciência do mundo animal esteve mais viva do que nunca e o incêndio que destruiu parte da Catedral de Notre-Dame, em Paris, é um dos acontecimentos que figurará em todos os digests do ano.

“É mote para uma discussão sobre o culto do património e o seu uso político, com as visões de Salvatore Settis, arqueólogo e historiador, Carlo Pùlisci, historiador de arte, e Pedro Levi Bismarck, arquiteto e investigador”, diz a Fundação EDP. O artista português André Cepeda faz as fotos que percorrem estes textos.

Os movimentos de defesa dos animais ganham relevo no debate público no século XXI e merecem reflexão na sétima edição da Electra a partir de conceitos como humanismo, anti-humanismo, animalismo, ecologia, behaviorismo, etologia, direitos, consciência e culpa, a partir dos ensaios de autores como o sociólogo Alessandro Dal Lago, que chama a atenção para a indiferença com que o mundo animal foi sendo olhado pelos filósofos, Boyan Manchev, que escreve sobre ecopolítica e política animal, e Massimo Filippi, especialista em neurologia, sobre o que é humano e o que é animal.

Esta edição debruça-se sobre a história de Luisa Casati (1881-1957), aquela que ficou conhecida como ‘marquesa futurista’, o nome que lhe atribuiu o poeta italiano Marinetti, graças a esse ‘dom’ para adivinhar as atitudes artísticas e culturais do século XX e XXI.

Orfã aos 13 anos, Luisa e a irmã, Francesca, estavam entre as mulheres mais ricas de Itália na época. Patrona das artes, conviveu com os artistas, com destaque para os futuristas italianos, e serviu-lhes de inspiração. São vários os retratos que dela fizeram. Jack Kerouac dedicou-lhe um poema.

O portfolio leva a assinatura da artista holandesa Magali Reus. Embora seja mais conhecida como escultora, para a Electra preparou uma série de fotografias – mais de uma dezena – de flores e de camiões de entregas de flores, que são acompanhadas de ensaio do poeta e curador americano Andrew Durbin, editor na Frieze Magazine.

Ainda na fotografia, os fotógrafos e editores André Príncipe e José Pedro Cortes entrevista Hisham Mayet (cineasta, músico, investigador e fundador da editora Sublime Frequencies). A acompanhar as palavras, um ensaio visual.

A Electra, publicada em português e inglês, nasceu em março de 2018, é agora distribuída também no Brasil, e reúne trabalhos inéditos de autores portugueses e estrangeiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entre os animais e a Notre-Dame. O sétimo número da revista Electra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião