APS debateu os principais aspetos do envelhecimento

  • ECO Seguros
  • 5 Dezembro 2019

A ciência, a economia e os comportamentos na velhice estiveram em análise na conferência anual da Associação Portuguesa de Seguradores.

A conferência anual da Associação Portuguesa de Seguradores (APS), sob o mote “A idade nunca vem só: como responder aos desafios da vida”, teve lugar no Museu do Oriente e contou com a presença da Presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), Margarida Corrêa de Aguiar.

A iniciativa teve como objetivo analisar as consequências socioeconómicas do envelhecimento, bem como promover um debate sobre a capacidade atual de resposta face aos desafios desta tendência demográfica.

Um grupo de jovens da SDUL – Associação de Debate Universitário debateram o futuro da Segurança Social e as soluções que julgam mais adequadas para salvaguardar a sustentabilidade do sistema de pensões.

Os avanços da ciência no contexto do envelhecimento foram tema do painel “A ciência médica face ao desafio do envelhecimento”, através das pesquisas recentes apresentadas por Luísa Lopes, Investigadora Principal do Instituto de Medicina Molecular (iMM) e Professora Convidada na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e Sérgio Dias, Investigador Principal no Instituto de Medicina Molecular (iMM) e Professor Associado Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Em outro painel foi realizada uma abordagem multissectorial sobre importantes questões para a sociedade em geral, e com impactos diretos no setor segurador, tais como “A economia do envelhecimento” abordado por Judite Gonçalves, Professora Auxiliar Convidada e Membro do Centro de Conhecimento de Economia e Gestão da Saúde na Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa e Amílcar Moreira Investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Depois deu-se um momento de intervenção de um grupo de jovens da SDUL – Associação de Debate Universitário, que debateram o futuro da Segurança Social e as soluções que julgam mais adequadas para salvaguardar a sustentabilidade do sistema de pensões e a qualidade de vida dos pensionistas.

“O que significa envelhecer?” foi o tema discutido por Isabel Vaz, CEO do grupo Luz Saúde, Alexandre Quintanilha, Professor, Investigador e Deputado e Maria Amélia Cupertino de Miranda, Presidente do Conselho de Administração da Fundação Dr. António Cupertino de Miranda.

José Galamba de Oliveira, presidente da APS referiu resumindo que no debate sobre o envelhecimento em Portugal “diferentes atores devem ser incluídos, através de um debate transversal, que permita encontrar respostas integradas, alicerçadas no contributo de representantes de vários quadrantes, como investigadores, empresas, universidades, políticos, governo e a sociedade civil”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

APS debateu os principais aspetos do envelhecimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião