Tem criptomoedas? Roubo de moedas virtuais mais que duplica

  • ECO Seguros
  • 6 Dezembro 2019

Os problemas da PlusToken e da QuadrigaCX só explicam parte deste aumento da criminalidade no espaço da blockchain. Parte das plataformas não cumpre regras básicas de segurança.

Tem criptomoedas? Tenha cuidado. É que os roubos de moedas digitais na internet estão a aumentar, segundo um relatório da CipherTrace. Com muito mais dinheiro virtual a cruzar o hiperespaço, os criminosos estão a conseguir apropriar-se de quantias cada vez mais elevadas em cada golpe, fazendo mais do que duplicar o valor subtraído ilegalmente este ano, face a 2018.

As perdas por crimes de roubo e fraude em moeda digital aumentaram 150% nos primeiros nove meses deste ano, face ao total de 2018, alcançando o equivalente a 4,4 mil milhões de dólares entre janeiro e setembro.

Dois grandes roubos foram os principais responsáveis ​​pelo forte aumento registado este ano, segundo a CipherTrace, empresa líder mundial em serviços de informação e segurança da tecnologia blockchain. Uma das fraudes viu utilizadores e clientes perderem 2,9 mil milhões de dólares com um suposto “esquema Ponzi” envolvendo carteira e troca de criptografia, o PlusToken. A outra fraude significativa do ano envolveu os 195 milhões de dólares perdidos pelos clientes da QuadrigaCX, após a morte inesperada do seu co-fundador e CEO Gerald Cotten, de 30 anos.

Além dos maiores crimes que são noticiados assiste-se a um número cada vez maior de crimes de milhões de dólares que não são sequer reportados. “Há um aumento relativamente consistente na atividade criminal ano após ano e não esperamos que isso mude da noite para o dia”, afirma um responsável da CipherTrace em declarações à Reuters.

No mesmo relatório, a CipherTrace revela que, entre as 120 maiores plataformas de blockchain, dois terços nem sequer cumprem com o protocolo elementar KYC (Know Your Customer). A mesma fonte nota que as organizações terroristas, atentas à evolução das atividades forenses sobre o espaço blockchain têm desenvolvido métodos cada vez mais sofisticados de camuflar fluxos de criptomoeda usada para financiar ataques e outras operações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem criptomoedas? Roubo de moedas virtuais mais que duplica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião