Conselho fiscal aprova orçamento do Montepio para 2020 mas deixa avisos

  • ECO
  • 13 Dezembro 2019

O conselho fiscal da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) dá "parecer" favorável ao plano de ação e orçamento para o exercício de 2020. Mas deixa alguns avisos e recomendações.

O conselho fiscal da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) dá “parecer” favorável ao plano de ação e orçamento para o exercício de 2020, o qual prevê lucros de 5,4 milhões de euros e um aumento da base de associados em 10 mil no próximo ano. Apesar de dar luz verde ao documento que vai ser votado em assembleia geral a 30 de dezembro, este órgão que fiscaliza a gestão da mutualista deixa vários alertas e recomendações.

“O conselho fiscal é da opinião que a informação prospetiva para 2020, preparada com base nos pressupostos e apresentada de forma consistente com as políticas contabilísticas adotadas pela AMMG em 2019, se encontra em condições de merecer a aprovação”, refere este órgão fiscalizador presidido por Ivo Pinho.

Dando parecer positivo ao documento, o conselho fiscal emite alguns avisos:

  • “O cenário macroeconómico que se deverá verificar em 2020 não se distingue, no essencial, do que se registou em 2019, pelo que o contexto em que se processará a atividade continuará a ser marcado por fatores adversos, mormente no âmbito da política monetária, mantendo-se negativas as taxas de juro de referência de mercado.”
  • “O conselho fiscal nota que, em 2019, se registou uma muito baixa taxa de execução das medidas tendentes ao alargamento da oferta de modalidades mutualistas no tocante a novas finalidades e modelos de proteção e previdência social. (Trata-se de uma situação que urge corrigir em 2020, conferindo-se grande prioridade (…), porque é neste domínio que se coloca uma oportunidade para o desenvolvimento de sistemas complementares de proteção e segurança social, áreas em que a AMMG detém vantagens distintivas e competitivas que devem ser exploradas.”
  • “Há outros eixos, designadamente o 3 (“Vincular os associados e aumentar as receitas associativas”) e o 6 (Aprofundar a transformação digital da AMMG”), que devem merecer particular atenção e monitoria.”
  • “No tocante aos objetivos orçamentais para 2020, nota-se, mediante observação do quadro relativo aos “objetivos de atividade associativa” que, apesar do número de associados em 2020 se afigurar algo otimista (sensivelmente mais 10.000 do que em 2019), as receitas associativas sofrem uma pronunciada quebra (-30,7%) relativamente à estimativa formulada para 2019 -456 milhões vs. 658 milhões. Trata-se, porém, de uma quebra aparente que deve ser analisada face à projeção da evolução dos custos associativos, designadamente dos vencimentos programados.”
  • “Quanto aos indicadores económico-financeiros, regista-se uma evolução desfavorável do indicador de eficiência (custos operacionais/ativo) que ascenderá em 2020, segundo a previsão, a 0,79% (contra uma estimativa de 0,72% em 2019), bem como uma ligeira redução do rácio de cobertura das responsabilidades (123,8% contra um valor estimado de 124,4% em 2019).”
  • “Também o rácio de solvabilidade (capital próprio/ativo), mantendo-se sólido, sofre, em termos previsionais, uma redução para 19,1% (que compara com uma estimativa 19,6% para 2019).”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho fiscal aprova orçamento do Montepio para 2020 mas deixa avisos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião