Justiça com reforço de apenas 36 milhões de euros

A despesa total consolidada da Justiça para 2020 é de 1.504,7 milhões de euros, representando um acréscimo de 7,3% face à estimativa para 2019, indica a proposta de Orçamento do Estado.

Na proposta de Orçamento de Estado para o próximo ano, que apresenta uma despesa total de quase 1505 milhões de euros para a Justiça – a pasta de Francisca Van Dunem terá um reforço orçamental de 7,3% face à despesa estimada para este ano, que, contudo, fica 67 milhões de euros aquém do que o inicialmente previsto. Ou seja, a despesa prevista para 2020 significa um reforço de apenas 36 milhões de euros face à que estava prevista no OE de 2019.

As medidas orçamentais relativas à Segurança e Ordem Públicas/Administração e Regulamentação (50,2%), Sistema Judiciário (26,4%) e Sistema Prisional, de Reinserção Social e de Menores (14,7%) são as que se destacam de entre os recursos afetos ao programa apresentado pelo Executivo.

Quanto às políticas e medidas previstas no OE para 2020 surge, entre outras, a promessa de “combater, de forma determinada, a corrupção (…) dado que a corrupção tem efeitos corrosivos no estado de Direito e mina a confiança dos cidadãos nas suas instituições”.

Prosseguir a informatização e desmaterialização dos processos judiciais, em continuidade da iniciativa Tribunal+ e criar um corpo de assessores especializados para os tribunais e investir na sua formação inicial e contínua, designadamente em matérias cuja complexidade técnica aconselha a existência de um apoio ao juiz, são outra das medidas previstas.

As medidas apontadas no OE para 2020 incluem ainda “permitir e incentivar a composição por acordo entre a vítima e o arguido, nos casos em que não existe outro interesse público relevante” e “permitir a suspensão provisória do processo para um número mais alargado de crimes, desde que todas as partes estejam de acordo”.

Pretende-se ainda “agilizar o tempo de resposta em matéria de perícias forenses e demais serviços no âmbito da medicina legal”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justiça com reforço de apenas 36 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião