BRANDS' ECOSEGUROS O paradoxo da escolha no investimento em inovação

  • ECOseguros + EY
  • 23 Dezembro 2019

Rúben Olival, manager, EY, Financial Services, fala da necessidade de o setor dos seguros se adaptar à vaga de inovação e digitalização sem perder o foco no essencial da sua atividade.

Muito se tem falado e escrito acerca das transformações a que se tem assistido nos últimos anos, e que abalaram profundamente a quase totalidade dos setores tradicionais da economia, tendo como face mais visível, falando de forma simplista, a alteração da forma como o “produtor” interage com o “consumidor”.

Estas transformações têm um impacto significativo na alteração do mindset de muitas indústrias e setores mais tradicionais, que passaram de um paradigma em que esta vaga de digitalização e inovação era um mal com o qual tinham de conviver, para um contexto em que a mesma é uma prioridade inquestionável, sob pena do definhar das próprias indústrias.

O setor dos seguros não passou ao lado desta tendência, sendo cada vez mais significativo o investimento em inovação e digitalização por parte das seguradoras, seja através de desenvolvimento interno, aquisições ou parcerias com insuretech.

Com efeito, o investimento em insuretech nos primeiros nove meses do ano de 2019, de cerca de 4,36 mil milhões de dólares, já ultrapassou o investimento total de 2018, de cerca de 3,18 mil milhões de dólares.

Dos inúmeros exemplos práticos que existem de transformação digital no setor, destacam-se alguns direcionados para as atividades internas da seguradora, tais como a utilização de drones na avaliação de sinistros e a robotic process automation (RPA), que se traduz na utilização de um robot (algoritmo) em “substituição” de um utilizador na realização de tarefas repetitivas e simples, quer no processo de subscrição, quer na gestão de sinistros, permitindo ganhos de eficácia e eficiência no negócio.

Noutra vertente, existem também novas soluções para a forma como as seguradoras interagem com os tomadores, nomeadamente através da utilização de novos canais de distribuição, como as aplicações móveis, que permitem a criação de produtos cada vez mais segmentados. Exemplo disso são os seguros “usage based”, que permitem que o tomador apenas pague/ative a cobertura quando está efetivamente exposto ao risco.

Esta transformação não está isenta de desafios. A abundância de opções à disposição das seguradoras no que toca ao investimento em inovação, traz por si só custos associados à decisão de investir, tanto temporais como financeiros, naquilo que pode ser entendido como um paradoxo de escolha.

 

As companhias de seguros devem analisar aquela que é a sua proposta de valor ao cliente, quais os problemas que se propõe resolver e qual a forma mais eficaz de o fazer, consumindo o menor número de recursos possíveis e maximizando a experiência do cliente. No negócio segurador, isto associa-se muitas vezes à redução de burocracia, resolução mais célere dos sinistros e tarifação mais adaptada às necessidades individuais.

Com efeito, a modernização e transformação digital de uma seguradora não deve ser encarada como um fim em si, mas como um meio de apoio à tomada de decisão dos processos críticos da Companhia, que permita endereçar as temáticas acima e não só.

 

Esta transformação exige que toda a Companhia evolua na mesma direção, sendo essencial que esta solidifique as alianças com os seus parceiros chave, tanto os já existentes (reguladores e outros), como os mais recentes, nomeadamente parcerias tecnológicas.

Exige igualmente uma reconfiguração das suas atividades core, nas quais deve incluir processos que permitam fazer uso efetivo destas parcerias e investimentos, bem como, e não menos importante, qualificar os recursos humanos e transmitir uma mensagem vinda do topo das hierarquias acerca de importância destes processos para a capacidade da Companhia continuar a crescer no mercado.

É fulcral que as seguradoras continuem o caminho que iniciaram de inovação e digitalização, sem nunca perder o foco no essencial da função que tem a indústria seguradora.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O paradoxo da escolha no investimento em inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião