Marcelo vive Natal dividido entre “preocupação” e “esperança”

  • ECO
  • 25 Dezembro 2019

Presidente da República reforçou mensagem de esperança em Portugal com "bom senso, a experiência de muito passado e do que nele se viveu e o apelo de mais e melhor".

Marcelo Rebelo de Sousa diz que vive o Natal deste ano “dividido entre a preocupação e sobretudo a esperança“. Num artigo de opinião publicado esta quarta-feira no Jornal de Notícias, o Presidente da República sublinha que, no mundo, continuam ou multiplicam-se “sinais que não são boa notícia nem para a paz, nem para o diálogo, nem para a convivência entre pessoas, povos, culturas e civilizações”, dos quais são exemplos sinais como a “permanência de desigualdades, de miséria, de guerra”, “a insensibilidade de alguns”, “a tensão ainda não superada entre potências relativamente ao comércio universal, bem como a tendência para o unilateralismo, que dificulta o papel das organizações internacionais e a afirmação do próprio Direito Internacional”, enquanto se inicia na Europa um “novo ciclo político com alguns outros sinais que continuam a provocar apreensão” e “a situação mais ou menos crítica de certos sistemas políticos nacionais“.

Sublinhando “o apagamento de lideranças convictas, claras e determinadas” e a “emergência de compassos de espera ou fragmentações internas”, o Presidente da República assinalou a preocupação pelo “adiamento de decisões importantes para os anos mais próximos em áreas essenciais, até pela influência em termos de crescimento e emprego sustentados e significativos”, assim como, pela “concentração do debate público em pontos específicos, mais formais do que substanciais, mais conjunturais do que estruturais, à sensação difusa de que o dia-a-dia deve prevalecer sobre os horizontes de médio e longo prazo na perceção social de muitos, à situação crítica da comunicação social, acicate de instabilidade, de preferência pelo imediatismo, de potenciação do efémero em detrimento do fundamental”.

No mesmo artigo, Marcelo Rebelo de Sousa assinalou ainda que, além da preocupação, a mensagem deste Natal é sobretudo “de esperança“, já que esta “existe e permite mobilizar, mesmo quando a preocupação se manifesta”. “As próprias potências em guerra comercial ou de divisas admitem, ao menos por um momento, que tréguas se impõem”, escreveu o Presidente da República, assinalando ainda a esperança “na Europa” porque “a saída do Reino Unido se fará com acordo e não como tantos defendiam sem ele”.

Por fim, Marcelo reforçou ainda “esperança em Portugal”. “Porque, entre nós, o bom senso, a experiência de muito passado e do que nele se viveu e o apelo de mais e melhor apontam para olhar mais alto e mais longe e cuidar de evitar injustiças, desigualdades, omissões, atrasos e displicências que criem o caldo para o enfraquecimento de pilares basilares de uma Democracia viva e de futuro”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Marcelo vive Natal dividido entre “preocupação” e “esperança”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião