Bilhetes diários que combinam Carris, Metro, Transtejo e CP aumentam cinco cêntimos em 2020

  • Lusa
  • 27 Dezembro 2019

Os bilhetes diários Carris/Metro/Transtejo e Carris/Metro/CP vão aumentar cinco cêntimos a partir de 1 de janeiro de 2020.

Os bilhetes diários Carris/Metro/Transtejo e Carris/Metro/CP vão aumentar cinco cêntimos a partir de 1 de janeiro de 2020, informou esta sexta-feira o Metropolitano de Lisboa.

De acordo com informação disponível no site do Metropolitano de Lisboa, o bilhetes diário Carris/Metro/Transtejo (válido durante 24 horas, após a primeira validação, para um número ilimitado de viagens em toda a rede da Carris e do Metro e na ligação Cacilhas/Cais do Sodré da Transtejo) vai passar a custar 9,55 euros.

O bilhete Carris/Metro/CP (válido durante 24 horas, após a primeira validação, para um número ilimitado de viagens em toda a rede da Carris e Metro, bem como no serviço urbano da CP – Linhas de Sintra, Azambuja, Cascais e Sado) terá um custo de 10,60 euros.

O bilhete Carris/Metro (válido em toda a rede da Carris e do Metro num número ilimitado de viagens durante 60 minutos, contado entre a primeira e a última validação de entrada) mantém o preço de 1,50 cêntimos.

O tarifário do bilhete diário Carris/Metro (válido durante 24 horas, após a primeira validação, para um número ilimitado de viagens em toda a rede da Carris e do Metro) também não irá sofrer alterações, mantendo o preço de 6,40 euros.

A viagem de metro com o ‘Zapping’, título de transporte pré-pago que pode ser usado em vários operadores, e com o cartão bancário Caixa Viva terá um aumento de um cêntimo, passando a custar 1,34 euros.

O passe Carris/Metro/estacionamento passará a ter um custo de 54,60 euros, enquanto o passe Metro/Parque Alvalade XXI irá passar a custar 46,15 euros. Estes dois títulos são válidos por 30 dias.

Todos os restantes títulos válidos no metro e os passes municipais e metropolitano irão manter os preços atuais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bilhetes diários que combinam Carris, Metro, Transtejo e CP aumentam cinco cêntimos em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião