Governo quer novo dono das barragens da EDP a pagar impostos em Portugal

  • ECO
  • 28 Dezembro 2019

A EDP anunciou a venda de seis barragens da EDP por 2,2 mil milhões de euros, mas o Governo exige que o novo dono pague impostos sobre aquela atividade em Portugal.

A EDP anunciou o negócio do ano, a venda de seis barragens no Douro por 2,2 mil milhões de euros a um consórcio liderado pela francesa Engie, com o objetivo de reduzir a dívida da empresa, mas o Governo exige que uma das condições para que o negócio tenha luz verde é que o novo dono que vier a explorar as seis barragens terá de ter a sua sede social em Portugal, para que os impostos sejam pagos em território nacional.

Segundo revela o Público, “o Estado, que tem de pronunciar-se sobre o negócio enquanto concedente, não está disposto a abrir mão da receita fiscal proveniente dos rendimentos das centrais hidro-eléctricas”. Quais são? Miranda, Bemposta, Picote, Foz Tua, Baixo Sabor e Feiticeiro.

Há dias, o ministro do Ambiente tinha afirmado que o Governo avaliaria a operação de venda das barragens uma a uma, e não as seis em conjunto. Matos Fernandes sinalizava, assim, que a venda das barragens, que integra o plano estratégico da EDP, estaria ainda condicionada pela decisão do Governo. Agora, segundo o Público, há pelo menos uma condição para a aprovação do negócio, necessária porque o Estado é o concedente dessas barragens.

De acordo com o diário, “a transacção obrigará a garantir autorizações por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), da REN, da Direcção-geral de Energia e Geologia (DGEG) e da Autoridade da Concorrência (AdC). Depois, terá de criar-se uma entidade totalmente autónoma para onde serão transferidos os activos e os trabalhadores afectos às seis barragens (a EDP garante que os trabalhadores só serão transferidos se quiserem) e será essa nova companhia que será comprada pelo consórcio de capitais franceses encabeçado pela Engie”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Governo quer novo dono das barragens da EDP a pagar impostos em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião