Secretário regional dos Açores defende seguro de colheitas

  • ECO Seguros
  • 2 Janeiro 2020

João Ponte alerta os agricultores para que o esforço do governo regional açoriano para compensar danos climatéricos nas culturas não pode manter-se e aconselha a contratação de seguros.

O secretário Regional da Agricultura e Florestas dos Açores, João Ponte, afirmou no final do ano que o seguro de colheitas é a melhor forma de promover a gestão de riscos na agricultura, compensar e minimizar as perdas provocadas por fenómenos climáticos adversos, bem como proteger o rendimento da atividade agrícola, reportou o site Agricultura e Mar.

Citado pelo site o secretário regional afirmou “Cada vez mais, os produtores têm de fazer uma aposta no seguro de colheitas. 2019 foi o primeiro ano de aplicação deste seguro nos Açores e já teve efeitos práticos, por exemplo, para os produtores de milho forrageiro da Ilha Terceira que foram afetados pela passagem do furacão Lorenzo, tendo a companhia de seguros já procedido ao pagamento das indemnizações”.

João Ponte destacou que os agricultores devem encarar os seguros como uma proteção do seu rendimento, uma vez que ao produtor cabe apenas pagar 30% do custo do prémio da apólice, disse.

No âmbito da negociação encetada pelo Governo Regional, ficou definido que o seguro de colheitas pode ser acionado quando há prejuízos acima dos 20%, enquanto em Portugal continental e na Madeira o limite são 30%.

O site citou ainda João Ponte ao salientar que “no âmbito do próximo quadro comunitário, continuando a haver um seguro de colheitas disponível, tal como agora existe, o que seguramente irá acontecer, o esforço financeiro do Governo Regional dos Açores para apoiar os agricultores prejudicados por situações climatéricas adversas não se poderá manter tal como é feito atualmente, sendo esta mais uma razão para os produtores apostarem nesta medida de proteção dos seus rendimentos”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Secretário regional dos Açores defende seguro de colheitas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião