3 desejos de Carlos Silva: “Quero um país menos desigual, menos pobre e com uma governação mais justa”

"Quero um país menos desigual, menos pobre e com uma governação mais justa". São estes os desejos de Carlos Silva, da UGT, para o próximo ano.

Ao bater das badaladas que assinalam o início de mais um ano, são estes os desejos na mente de Carlos Silva, dirigente da União Geral de Trabalhadores (UGT): menos desigualdade, menos pobreza e mais justiça na governação. “É um desejo intemporal, que reafirmo a cada ano que passa”, diz o sindicalista.

Em resposta ao desafio lançado pelo ECO, o dirigente sindicalista — que foi funcionário do BES desde 1988, tendo passado depois para o Novo Banco — sublinha que a banca tem de dar resposta às necessidades “da economia, das empresas e dos seus trabalhadores”.

Já sobre o futuro da UGT, Carlos Silva reforça: “Que continue a afirmar-se em Portugal como um parceiros que que coloca os interesses dos trabalhadores no topo das suas prioridades reivindicativas“.

Um desejo para o país

Quero um país menos desigual, menos pobre e com uma governação mais justa. Este é um desejo intemporal, que reafirmo a cada ano que passa e não vejo melhorias substanciais.

Um desejo para o seu setor

Que a banca responda às necessidades da economia, das empresas e, sobretudo, dos seus próprios trabalhadores, valorizando-os e estimando-os, seja com salários, seja com respeito e consideração, sem imposições patronais ou de chefias intermédias.

Um desejo para sua entidade

Que a UGT se continue a afirmar em Portugal como um parceiro que coloca os interesses dos trabalhadores no topo das suas prioridades reivindicativas e que, em cada momento, saiba assumir o diálogo e o compromisso como os primeiros dos valores que conduzem e fortalecem a paz social e a estabilidade política e governativa.

3 desejos para 2020 é uma série de artigos a antecipar o que vai acontecer no próximo ano, nos mais variados domínios. Desafiámos políticos, empresários, gestores, advogados, reguladores, sindicatos e patrões a revelarem três desejos para o próximo ano: 1) Um desejo para o país, 2) Um desejo para o seu setor e, finalmente, 3) Um desejo para a empresa / entidade que gerem. Todos os dias, até ao final do ano, não faltarão desejos aqui no ECO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3 desejos de Carlos Silva: “Quero um país menos desigual, menos pobre e com uma governação mais justa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião