Amorim inaugura em abril nova fábrica na Austrália e abre unidade no Chile em 2021

Corticeira tenciona inaugurar em abril fábrica em Adelaide, na Austrália e vai abrir uma nova unidade no Chile, no próximo ano, com um grupo local. Em causa está um investimento 4,5 milhões de euros.

A Amorim está a construir de raiz uma nova fábrica de rolhas na Austrália, num investimento de 3,5 milhões de euros, e, no próximo ano, tenciona abrir uma nova fábrica no Chile, anunciou o presidente executivo da empresa aos jornalistas, à margem da cerimónia de celebração dos 150 anos da corticeira.

“Já estamos presentes na Austrália, mas, neste momento, estamos a construir uma fábrica de raiz”, explicou aos jornalistas António Rios Amorim. A justificação prende-se com o crescimento do setor — a Austrália produz anualmente cerca de 700 milhões de garrafas de vinho. “O nosso negócio na Austrália duplicou nos últimos anos”, precisou o responsável. A nova fábrica, em Adelaide, deverá ser inaugurada em abril, acrescentou.

Já estamos presentes na Austrália, mas, neste momento, estamos a construir uma fábrica de raiz.

António Rio Amorim

Presidente executivo da Amorim

António Rios de Amorim revelou ainda que a Corticeira tenciona abrir uma nova fábrica no Chile, “no máximo, no próximo ano”, desta feita em parceria com um grupo local, com o qual já trabalha há largas décadas. Em causa está um investimento de 4,5 milhões de euros, acrescentou o presidente executivo.

Para assinalar os 150 anos da marca, a corticeira lançou uma nova logomarca “orientada para o futuro”. Desenvolvida pelo Atelier Eduardo Aires, a nova identidade “tem como referência central o sobreiro, representado de forma contemporânea”, e “cria uma ponte entre a dimensão patrimonial do passado e a visão de futuro da Amorim”, informou o grupo durante uma cerimónia.

O sobreiro, que está na origem do ciclo da cortiça, é a grande referência da nova imagem, sendo a ideia “criar uma síntese da forma que permitisse evoluir da logomarca pré-existente de representação da árvore para um elemento mais depurado, renovando e adequando-a à atualidade”. O ‘designer’ realça ainda a forte ligação à sustentabilidade traduzida na proposta, explicando que “a imagem conta com o círculo como elemento representativo da economia verde, circular, valor que implícito à exploração da cortiça”.

Segundo António Rios de Amorim, a nova imagem “condensa, com elegância e sobriedade, os valores” da empresa: “longevidade, ambição, orgulho, discrição, atitude, e sobretudo a paixão por um material tão único e nobre quanto a cortiça”.

Essa paixão vai traduzir-se também na mobilização dos produtores florestais para que plantem um total de 50 mil hectares de sobro nos próximos dez anos. “O objetivo é mobilizar esses produtores para que, entre diversas plantações, no prazo aproximado de 10 anos possam ser plantados 50 mil hectares de sobreiros com uma densidade significativamente superior à atual. Acredita-se que com um aumento de 7% da área atual dos sobreiros em Portugal será possível incrementar a produção de matéria-prima em 35%”, afirmou o presidente executivo da Corticeira Amorim.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amorim inaugura em abril nova fábrica na Austrália e abre unidade no Chile em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião