Siza cria novo Banco Português de Fomento com quatro acionistas. Finanças perdem poder

O Banco Português de Fomento resultará da fusão da IFD e da PME Investimento na SPGM. Terá 9 a 11 membros no conselho de administração, sendo que a sede continuará no Porto.

Banco Português de Fomento. É esta a designação que o ministro da Economia pretende dar ao banco promocional que prometeu para os 100 primeiros dias de Governo.

Pedro Siza Vieira avançou no Parlamento, em outubro, que o Executivo pretendia criar “um verdadeiro banco promocional nacional” com o objetivo de dar às empresas maiores facilidades de financiamento. “Vamos criar, finalmente, um verdadeiro banco promocional nacional a partir da integração das diversas sociedades financeiras do Ministério da Economia”, revelou o ministro de Estado e número dois do Governo.

Esse banco promocional resultará da fusão da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) e da PME Investimentos na SPGM, a entidade coordenadora do Sistema Português de Garantia Mútua, apurou o ECO. Esta é uma opção diferente daquilo que seria de esperar já que tem sido a IFD a assumir o papel de banco de fomento: já apoiou mais de 2.000 empresas e disponibilizou mais de mil milhões de euros para colmatar falhas de mercado.

A IFD foi criada para mobilizar 1,7 mil milhões de euros de fundos do Portugal 2020 que os Programas Operacionais Regionais tinham reservados para instrumentos financeiros — um valor que entretanto foi revisto em baixa na sequência da reprogramação do Portugal 2020, que recebeu luz verde de Bruxelas em dezembro de 2018. E desde a sua criação tem visto as suas competências alargadas, nomeadamente para poder obter financiamento junto de instituições multilaterais. Foi a chamada fase dois do banco de fomento que permitiu à IFD fazer operações on lending, (obter financiamento junto de instituições multilaterais ou bancos de investimento de outros países) ou emitir dívida no mercado internacional e depois refinanciar a banca portuguesa, para esta financiar as empresas.

A opção foi escolher a SPGM como chapéu desta holding, em vez de avançar para a terceira fase — a criação da holding IFD — que passava pela junção de “entidades existentes na área do financiamento da economia e da internacionalização sob um mesmo ‘chapéu’, dando-lhes coordenação estratégica e otimizando recursos”, uma hipótese que esteve desde sempre “dependente de definição pelas autoridades e posterior autorização pela Direção Geral da Concorrência”.

O novo Banco Português de Fomento passa a ter quatro acionistas: o IAPMEI, a Aicep, o Turismo de Portugal e a Direção Geral do Tesouro e Finanças (DGTF) que, presentemente, tem 100% do capital da IFD (100 milhões de euros). Assim, as Finanças vêem diluído o seu peso já que três dos acionistas da holding estão sob a tutela do Ministério da Economia.

Para já não está em cima da mesa um aumento do capital social do banco mas, para manter a licença da Comissão Europeia e assumir risco de equity direta, que consome muito mais capital, essa poderá ter de vir a ser uma opção. Além disso, o aumento de capital também poderia servir para uma eventual compra das posições do Turismo de Portugal e do IAPMEI com o objetivo de simplificar a estrutura acionista.

A instituição vai manter a sede no Porto, terá nove a 11 membros do conselho de administração e o plano inicial era manter Ana Beatriz Freitas à frente do novo banco de fomento. A antiga adjunta de Caldeira Cabral é agora a presidente do conselho de administração da SPGM, mas o ECO sabe que o nome não reúne consenso; além disso, terá sempre de passar pelo crivo do Banco de Portugal. Aliás, como todo o projeto, tal como o ECO já avançou. Por outro lado, só o conselho de administração da SPGM se mantém em funções até à nomeação de um novo board.

A opção de integração na SPGM é também questionada pelo facto de não ser uma instituição verdadeiramente grossista (tal como a IFD) e porque, a nível europeu, não há muitos bancos de fomento europeus que assumam também o papel de prestar garantias diretas.

Outro dos problemas em torno da arquitetura desenhada pelo Ministério da Economia está no facto de deixar de fora outros instrumentos financeiros do Estado como a SOFID — que poderia ser deixada de parte pelo facto de só financiar investimentos privados com impacto no desenvolvimento sustentável em países em vias de desenvolvimento e economias emergentes — e o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU). Quanto à Portugal Ventures, o ECO sabe, que o objetivo de Pedro Siza Viera era de que a capital de risco do Estado funcionasse como subsidiária do novo Banco Português de Fomento, mas não é certo que essa ideia tenha avançado.

A instituição precisa de “luz verde” do Banco de Portugal mas também da Comissão Europeia, tal como o ECO já noticiou e há algumas questões que têm de ser acauteladas nomeadamente potenciais conflitos porque a IFD abriu concursos para linhas como o Fundo 200M que é agora gerido pela PME Investimentos. Ora, “a IFD recebe uma comissão de gestão dos programas operacionais para monitorizar o gestor que, por sua vez, recebe uma comissão de gestão para executar os investimentos”, explicou ao ECO uma fonte conhecedora do processo. “A PME Investimentos tem incentivo a executar o máximo possível e, muitas vezes, cabe à IFD o papel de questionar a elegibilidade das transações. Estando ambas as funções dentro da mesma entidade, a IFD passa a fazer não só investimento intermediado, mas também direto e o foco passa a ser apenas na execução”, acrescentou a mesma fonte, o que pode desrespeitar as regras comunitárias.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza cria novo Banco Português de Fomento com quatro acionistas. Finanças perdem poder

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião