Banco de Fomento já tem novos poderes

Comissão Europeia aprovou o alargamento de competências do banco de fomento até 31 de dezembro de 2020. Prazo pode ser prorrogado.

A Comissão Europeia deu luz verde para a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), mais conhecida por banco de fomento, alargar as suas competências, de modo a poder obter financiamento junto de instituições multilaterais ou emitir dívida para ajudar a financiar a economia nacional.

O ECO avançou a semana passada que a IFD entregou em Bruxelas esse pedido, que acabou por ser satisfeito em apenas algumas semanas. Fruto também do trabalho de antecipação que foi levado a cabo pelas autoridades ainda que de um modo informal.

“Considero que hoje é um dia muito importante para a IFD, para Portugal e para o financiamento das empresas e empreendedores portugueses, pois a partir daqui poderemos fazer operações de on lending e com mid caps, e atuar no Plano Juncker, como os demais bancos promocionais europeus congéneres“, disse ao ECO José Fernando de Figueiredo. O presidente da Instituição sublinhou que ainda é necessário “esperar a publicação pela Comissão, nos próximos dias, da versão detalhada para ver se há alguma questão”, mas o responsável não antevê “que tal venha a acontecer”.

A IFD estava até agora limitada a utilizar 1,7 mil milhões do Portugal 2020 que os Programas Operacionais Regionais têm reservados para instrumentos financeiros. Mas a Comissão Europeia “concluiu que o alargamento do mandato do banco de desenvolvimento português, a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), estava em conformidade com as regras em matéria de auxílios estatais da UE”, sublinha o comunicado da Comissão divulgado esta segunda-feira.

“Em outubro de 2014, a Comissão aprovou a criação e a capitalização da IFD que gere e canaliza os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) atribuídos a Portugal para o período de financiamento de 2014-2020, bem como o reembolso de programas financiados pelos FEEI”, lembra o mesmo comunicado.

Criar um verdadeiro banco promocional

Agora inicia-se a designada “segunda fase” que permite à IFD aproximar-se dos bancos congéneres europeus, a possibilidade de fazer operações on lending, obter financiamento no exterior, junto de instituições multilaterais ou bancos de investimento de outros países, ou ainda emitir dívida no mercado internacional e depois, refinanciar a banca portuguesa, para esta financiar as empresas. Ou seja, criar “um verdadeiro ‘Banco Promocional’ em Portugal, que possa operar no financiamento da economia como os seus congéneres internacionais, e não apenas como mero gestor de fundos comunitários para instrumentos financeiros, o que, sendo importante, é manifestamente curto para os objetivos e necessária ambição de um projeto desta natureza”, explicou José Fernando de Figueiredo.

Apesar de lento e com muitas vicissitudes inicialmente não esperadas, continuo a acreditar que ainda consigamos o objetivo inicial deste Conselho de Administração, que é o de criar um mecanismo forte de financiamento da economia, em Portugal, que possa mesmo servir as empresas e o país.

José Fernando de Figueiredo

Está assim aberta a porta para que a IFD — uma instituição grossista, que faz o financiamento da economia através de capitais alheios — possa aceder às linhas do KfW alemão, do BPI France ou do ICO espanhol, mas também emitir dívida no mercado e depois emprestar aos bancos comerciais a condições mais favoráveis e a muito longo prazo.

Apesar de lento e com muitas vicissitudes inicialmente não esperadas, continuo a acreditar que ainda consigamos o objetivo inicial deste Conselho de Administração, que é o de criar um mecanismo forte de financiamento da economia, em Portugal, que possa mesmo servir as empresas e o país”, afirmou, ao ECO, José Fernando de Figueiredo.

A Comissão Europeia sublinha que “a IFD assegurará a gestão de fundos de participação ou fundos especializados com coinvestimento de investidores privados, no intuito de corrigir as falhas de mercado que impedem o acesso das PME ao financiamento por meio de empréstimos, ou ao financiamento de capital próprio e quase capital”. Contudo, esta decisão de alargamento do âmbito da atividade da IFD “não abrange quaisquer outras atividades que possam vir a ser confiadas à IFD e que terão de ser comunicadas à Comissão para efeitos de aprovação”.

A Comissão considerou ainda que “esta medida constitui um meio adequado e proporcionado de conceder financiamento às PME em casos de existência comprovada de uma falha de mercado” e que “as distorções da concorrência serão limitadas, uma vez que a IFD será um operador grossista que irá não só conceder financiamento através de outros intermediários financeiros”, assim como “gerar coinvestimento por investidores privados”.

Mas como o mercado de financiamento das PME e, em especial, o âmbito das falhas de mercado podem evoluir, “a Comissão concedeu a presente aprovação até 31 de dezembro de 2020″, sendo que “o prazo poderá ser prorrogado na sequência de uma nova avaliação“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Fomento já tem novos poderes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião