Reprogramação do Portugal 2020 dá novo destino a 2,4 mil milhões de euros

Depois de aprovados projetos para 70% do orçamento total do Portugal 2020, a reprogramação agora concluída vai reafetar 2,4 mil milhões que vão alavancar mais de sete mil milhões em investimentos.

A reprogramação do Portugal 2020 está concluída e já teve luz verde da Comissão Europeia. São 2,4 mil milhões de euros de fundos estruturais que serão transferidos para “áreas prioritárias para o desenvolvimento do país” e que vão alavancar um investimento de sete mil milhões de euros, dos quais cinco mil milhões serão da responsabilidade das empresas.

“A reprogramação não é dinheiro fresco, nem novo. É a reafetação de verbas”, sublinha ao ECO o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão. Nelson Souza aponta que as três grandes aposta da reprogramação são as empresas, as pessoas e o território.

Ao nível das empresas, do Sistemas de Incentivos, onde temos apostado mais, são reafetados 632 milhões de euros, que vão ser mais alavancados com a banca”, sublinha o responsável numa alusão à solução encontrada para que os bancos financiem a componente reembolsável dos fundos.

Contamos mais do que duplicar esses 600 milhões de euros“, diz. Como? “As taxas de apoio às empresas são menores do que noutras áreas — em média rodam os 50% e não os 85% de outras áreas — o que alavanca muito mais”, explica. “Tudo somado prevemos um investimento total de cinco mil milhões de euros. Com os nossos recursos, os recursos da banca e ainda algumas disponibilidades que temos com base nas quebras que prevemos”, elenca Nelson Souza. Ou seja, as verbas que são libertadas após a desistência de alguns projetos que já tinham visto o financiamento aprovado, ou a revisão em baixa de um investimento em curso.

E se for necessário ainda mobilizamos reembolsos daquilo que que as empresas começaram a reembolsar”, acrescentou o responsável, precisando, contudo, que esta será uma situação limite já que “seria financiamento intercalar”, já que o objetivo é usar este quadro comunitário.

A segunda grande prioridade é a aposta nas qualificações. Em causa está um reforço de 877 milhões de euros dirigido à qualificação de jovens (350 milhões) de adultos, nomeadamente nos centros Qualifica (280 milhões de euros) e estágios e apoios à contratação (247 milhões).

Fonte: Ministério do Planeamento e infraestruturas

Finalmente, a área que vai receber o reforço mais significativo é o território. São 897 milhões de euros, que deverão alavancar um investimento total de 1,3 mil milhões. Neste capítulo estão incluídos os metros de Lisboa, do Porto, a linha de Cascais e o sistema de mobilidade em Coimbra, projetos que vão receber um apoio dos fundos de 285 milhões de euros”, sublinha Nelson Souza. “Há ainda o investimento municipal, ao nível das escolas, unidades de saúde, planos de desenvolvimento urbano, dos PEDUS e PARUS“, acrescenta o secretário de Estado. Tudo somado, o investimento de proximidade dá mais 600 milhões de euros. É aqui que também está incluído o hospital de Évora que são mais 40 milhões”, acrescentou.

A negociação foi dura, nomeadamente no que se refere à desafetação das verbas que estavam destinadas a instrumentos financeiros, no âmbito dos programas operacionais regionais e que tinham como destino a Instituição Financeira do Desenvolvimento. “Do que inicialmente queríamos não tivemos problemas com nada“, garante Nelson Souza quando questionado sobre quais os aspetos da reprogramação que o Governo pretendia, mas foram chumbados por Bruxelas. “Podíamos ter tido dificuldades com a redução dos instrumentos financeiros”, reconhece contudo o responsável. “Essa foi uma negociação difícil. Tivemos de provar que estava inicialmente sobredotado e que não éramos contra os instrumentos financeiros por uma questão ideológica“, acrescentou. Aliás, um dos pontos que terá somado a favor do Governo é precisamente usar um instrumento financeiro que já existe, no âmbito da IFD para financiar a garantia aos bancos no âmbito do novo mecanismo criado para estes financiarem a componente reembolsável dos fundos.

“Podíamos ter tido dificuldades com a redução dos instrumentos financeiros. Essa foi uma negociação difícil. Tivemos de provar que estava inicialmente sobredotado e que não éramos contra os instrumentos financeiros por uma questão ideológica”, disse ao ECO Nelson Souza.Paula Nunes / ECO

Apesar de o secretário de Estado não o reconhecer, o ECO confirmou junto de várias fontes que o alargamento do conceito de estradas de ligação a áreas de localização empresarial, mais conhecidas por lastmile, não foi aprovado. Portugal tem um conceito restrito de last mile, já que as estradas de ligação a estes parques empresariais só podem ser financiadas por fundos se forem inseridas no âmbito de um reforço de investimento nos mesmos. O Governo recebeu um rotundo não da Comissão a este propósito — tal como o ECO já avançou –, mas segundo apurou o ECO, o Executivo partiu para esta negociação com as expectativas muito em baixo.

O exercício de reprogramação permitiu ainda rever mais alguns detalhes, nomeadamente ao nível dos programas operacionais regionais. Verbas que as câmaras não estavam a ser executadas foram transferidas para outras áreas e Bruxelas aceitou mudar o método de avaliação dos investimentos feitos ao nível dos apoios à ciência e à investigação e desenvolvimento das empresas, já que os PO Regionais estavam com dificuldades em cumprir a meta de atribuir dois terços dos apoios às empresas. Por outro lado, também foram revistas algumas das metas para a avaliação de desempenho que se vai fazer no final de 2018. Uma avaliação que não é só financeira mas também física.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Reprogramação do Portugal 2020 dá novo destino a 2,4 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião