Travelex fica offline após ciberataque

  • ECO Seguros
  • 12 Janeiro 2020

A Travelex, uma rede britânica de câmbio de moedas que realiza 150 milhões de operações por ano em todo o mundo, foi alvo de um ciberataque de ransomware e obrigada a desligar tudo.

Com o sistema ‘em baixo’ e a sua página de internet inacessível depois de um ataque de ramsonware, a Travelex disponibilizou uma linha telefónica e atende os clientes através da rede de lojas tradicionais.

A empresa londrina que gere uma extensa rede operações de câmbio dentro e fora do Reino Unido foi obrigada a colocar todo o sistema offline, estando a sua página web preenchida com uma nota sobre a ocorrência e um número de telefone de apoio aos clientes que utilizaram a plataforma eletrónica para encomendar divisas.

Os hackers danificaram o sistema informático e pediram um resgate de 6 milhões de dólares, reporta imprensa adiantando ser ainda incerto que a Travelex tenha pago o dinheiro reclamado pelos piratas do ciberespaço. O ataque gerou caos entre os clientes que viajavam de férias por ocasião das celebrações de Ano Novo.

Na nota publicada no endereço eletrónico da entidade lê-se que a colocação do sistema em modo offline foi a medida reativa que permitiu conter o vírus informático. A Travelex acrescenta ainda que as investigações preliminares indicam que os dados de clientes não estão comprometidos.

Enquanto a Travelex sofre uma interrupção de serviço digital e vai atendendo ‘a papel e caneta’, operando apenas manualmente nas lojas tradicionais, a agência Reuters recorda que, num prospeto de bolsa, a Finablr, empresa-mãe da Travelex, declarou ser titular de um seguro contra risco cibernético.

A Finablr processa mais de 150 milhões de transações por ano através de sistemas informáticos. Desde o ataque, as ações da empresa desvalorizaram mais de 20%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Travelex fica offline após ciberataque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião