Só 10% das empresas portuguesas tem seguro para ciberataques

  • Lusa
  • 13 Janeiro 2020

Relatório do Eurostat revela que as empresas portuguesas estão subseguradas quanto a ciberataques, enquanto na UE, 24% estão protegidas por apólices. E 8% confessam já ter sido atacadas.

Cerca de 8% das empresas portuguesas inquiridas num estudo europeu sobre cibersegurança indica ter tido problemas como falhas em serviços informáticos, corrupção ou acesso indevido a dados, mas a quase totalidade garante tomar medidas de prevenção.

Em causa está um inquérito, hoje divulgado pelo gabinete estatístico comunitário, o Eurostat, relativo às medidas de segurança usadas por empresas da União Europeia (UE) na área das tecnologias da informação, para o qual foram abrangidas 160 mil empresas que empregam 10 ou mais pessoas em áreas como a produção, energia, construção, comércio, informação e comunicação, imobiliário, entre outras.

Apesar de o Eurostat não precisar quantas empresas foram ouvidas em Portugal, indica que 98% das companhias nacionais usa, pelo menos, uma medida de segurança cibernética.

Considerando toda a UE, 93% das companhias também o faz, sendo que as medidas mais adotadas, a nível europeu, são a atualização dos sistemas operacionais, a criação de processos de autenticação de palavras-chave, o controlo no acesso à rede interna, a utilização de técnicas de encriptação em documentos ou correio eletrónico e a construção de redes privadas virtuais (as chamadas VPN).

Ainda relativamente a Portugal, 8% das empresas inquiridas indica ter tido problemas de cibersegurança em 2018, sendo estes normalmente relacionados com falhas nos serviços informáticos, destruição ou uso indevido de dados e, em menor escala, com o acesso a informações confidenciais.

Em toda a UE, a percentagem média de casos de problemas cibernéticos sobe para 12%.

Portugal surge abaixo da média comunitária – de 24% – no que toca à contratualização de seguros que salvaguardem este tipo de ataques, com apenas 10% das empresas nacionais a responder ter esta opção.

Ainda assim, mais de metade (54%) das empresas portuguesas inquiridas garante que os seus funcionários têm conhecimento das suas obrigações em termos de segurança ‘online’ (a média comunitária neste parâmetro é de 62%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Só 10% das empresas portuguesas tem seguro para ciberataques

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião