BlackRock muda estratégia. Foco são as alterações climáticas

  • ECO
  • 14 Janeiro 2020

O fundador e CEO da maior gestora de ativos do mundo enviou a sua carta anual aos grandes clientes. Alertou que o clima é a maior crise de que se lembra em 40 anos de carreira.

A BlackRock vai apostar no ambiente e desinvestir em setores com maior risco ao nível da sustentabilidade. O anúncio sobre a mudança no posicionamento da maior gestora de ativos do mundo (responsável pela gestão de 7 biliões de dólares em ativos) foi feito pelo fundador e CEO Laurence Fink na carta anual que envia aos clientes, a que o New York Times (acesso pago, conteúdo em inglês) teve acesso.

Fink afirmou que a BlackRock vai abandonar investimentos que “apresentem um elevado risco relacionado com sustentabilidade” como carvão. O objetivo é incentivar, não só energéticas mas todas as empresas, a reavaliar a pegada carbónica.

“A consciencialização está a mudar rapidamente e acredito que estamos à beira de redesenhar fundamentalmente as finanças”, escreveu o CEO na carta. “Os sinais de risco climático está a incentivar os investidores a reavaliar as linhas mestras das finanças modernas“, sublinhou.

Fink acredita que esta é a crise mais profunda que já assistiu nos 40 anos de carreira. “Mesmo que apenas uma fração do que a ciência diz seja verdade, é uma crise estrutural e de longo prazo”, alertou.

Entre as mudanças na estratégia está a introdução de novos fundos de investimentos e maior intervenção na gestão das empresas em que a gestora detém participações. A BlackRock não é a primeira a tomar esta decisão, mas é um movimento relevante dada a dimensão da empresa, que poderá pressionar outros gestores a seguir a aposta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BlackRock muda estratégia. Foco são as alterações climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião