Washington ameaçou europeus com novas tarifas sobre automóveis

  • Lusa
  • 16 Janeiro 2020

A ministra da Defesa alemã disse que os EUA ameaçaram impor novas tarifas às importações de automóveis com o intuito de pressionarem os países europeus a denunciarem o Irão sobre o acordo nuclear.

Os Estados Unidos ameaçaram impor novas tarifas às importações de automóveis da Europa para pressionar os países europeus a denunciarem o Irão por incumprimento dos compromissos assumidos no acordo nuclear, confirmou esta quinta-feira a ministra da Defesa alemã.

“Essa ameaça existe”, disse Annegret Kramp-Karrenbauer numa conferência de imprensa em Londres.

A ministra foi questionada sobre um artigo publicado esta quinta-feira pelo Washington Post, segundo o qual o Presidente norte-americano, Donald “Trump ameaçou secretamente [França, Reino Unido e Alemanha, os três países europeus signatários do acordo de 2015] impor direitos alfandegários de 25% sobre os automóveis europeus” se não acionassem o mecanismo de resolução de conflitos do acordo.

O acordo foi posto em causa depois de os Estados Unidos decidirem retirar-se dele unilateralmente, em maio de 2018, e restabelecer sanções económicas ao Irão.

Em resposta, Teerão decidiu, a partir de maio último, deixar de respeitar alguns dos compromissos do acordo, que limitava grandemente a sua atividade nuclear.

Os três países europeus subscritores do acordo de 2015 anunciaram na terça-feira ter desencadeado a cláusula de resolução de diferendos constante do pacto para pressionar o Irão a aplicar integralmente as disposições do documento.

Em reação a esse anúncio, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Javad Zarif, escreveu no Twitter que Londres, Paris e Berlim “venderam os restos [do acordo] para evitar novas tarifas de Trump”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Washington ameaçou europeus com novas tarifas sobre automóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião