Costa apela a autarcas para não terem medo da transferência de competências

  • Lusa
  • 24 Janeiro 2020

O primeiro-ministro afirmou que adiar a descentralização "por medo" é dar uma oportunidade ao centralismo. "A melhor forma de não ter medo é saber identificar os problemas", acrescentou.

O primeiro-ministro, António Costa, apelou esta sexta-feira aos autarcas para que não tenham medo de aceitar a transferência de competências, dizendo que “adiar por medo” é dar uma oportunidade ao centralismo.

“Adiar por medo é simplesmente dar a oportunidade àqueles que querem o centralismo de mais uma vez adiar a descentralização, que há muito já devia ter sido feita”, afirmou António Costa na sessão de abertura do XVII Congresso da Associação Nacional de Freguesias (Anafre), em Portimão.

Para o primeiro-ministro, “a melhor forma de não ter medo é saber identificar os problemas”, considerando “essencial” para a execução do processo o facto de não se ter medo de ceder o poder, por um lado, e de assumir as competências transferidas, por outro.

Por isso, defendeu, “a monitorização é essencial” e a “descentralização não pode falhar, nem porque carece dos meios necessários, nem porque pode conduzir ao receio que o poder mais próximo seja menos exigente na disciplina das finanças públicas”.

António Costa aproveitou também para falar em regionalização, dizendo que, “no momento próprio, quando o país estiver maduro para essa discussão, seguramente voltará a discutir se quer ou não a regionalização”.

Já a reforma nas Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) é para avançar já neste semestre, para que “seja possível proceder ao reforço” da sua legitimidade democrática, sublinhou.

“Também aqui não é tempo de adiamentos, nós temos um calendário muito exigente para começar a preparar o Portugal pós-2020”, referiu o primeiro-ministro.

Segundo António Costa, os próximos programas operacionais regionais “já devem ser desenhados por CCDR”, com presidentes não nomeados pelo Governo, mas eleitos diretamente pelos autarcas da respetiva região.

Contudo, notando que haja quem receie que a democratização das CCDR comprometa uma futura regionalização, Costa salientou que este passo “não visa condicionar nenhuma evolução” nesse sentido, nem tão pouco antecipá-la.

“A democratização das CCDR não compromete essa evolução, mas também não a antecipa. Mas é o passo que podemos e devemos fazer já, para que já as CCDR tenham a legitimidade democrática reforçada e os seus presidentes sejam, não a voz do Governo na região, mas a voz dos autarcas no país”, concluiu.

Costa referiu ainda que serão criadas as condições para que todas as juntas de freguesia possam contar com um membro a meio tempo, pois “só assim será possível o exercício pleno das novas competências que sejam aceites pelas freguesias”.

A descentralização de competências dos municípios para as freguesias é um dos principais temas do congresso, que decorre entre hoje e sábado, em Portimão, sob o lema: “Freguesia: Mais próxima e solidária. Mais descentralização!”.

O evento, que se realiza a meio de um mandato autárquico, reúne os autarcas de freguesia para fazer um ponto da situação do trabalho que foi feito na primeira parte do mandato, abordando também o que falta fazer até às próximas autárquicas, em 2021.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa apela a autarcas para não terem medo da transferência de competências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião