Insurtech com ADN português reforça ciber-seguros nos EUA

  • ECO Seguros
  • 27 Janeiro 2020

A BinaryEdge, startup especialista na monitorização em tempo real de ameaças a qualquer plataforma que tenha ligação à internet, foi comprada pela Coalition, seguradora norte-americana de ciber-risco.

A BinaryEdge (BE) é dirigida pelo português Tiago Caetano Henriques (também cofundador) e começou por desenvolver soluções machine learning centradas em cibersegurança. Com a incorporação da startup fundada em 2015, a Coalition reforça a capacidade das empresas clientes monitorizarem os sistemas expostos à Internet, facilitando ainda o esforço de busca e correção de vulnerabilidades.

As aplicações da BE, até agora sediada em Zurique (Suíça), são usadas para monitorizar mais de 5 000 milhões de dispositivos por mês. Com esta aquisição, a tecnologia da BE será disponibilizada aos clientes da Coalition sem custos adicionais como ferramenta para a monitorização constante de ameaças que visem os ativos de mais de 10 mil organizações seguradas pela companhia norte-americana.

O valor da operação não foi divulgado, mas a Coalition tenciona concretizar “investimentos significativos” na plataforma da BE, cuja equipa é formada por quatro dezenas de especialistas e que deverá aumentar em dobro. “Esta aquisição sinaliza o nosso compromisso contínuo de ser um parceiro dedicado na gestão de riscos para todos os nossos segurados”, explicou Joshua Motta, CEO e cofundador da Coalition.

A Coalition tem sede em São Francisco (EUA) e opera junto de pequenas e médias empresas, sendo apoiada por entidades como a Swiss RE Corporate Solutions, Lloyd´s of London e a Argo. A empresa opera uma plataforma que gere riscos cibernéticos e oferece coberturas de até 15 milhões de dólares em seguros contra ameaças cibernéticas e tecnológicas.

Recentemente, constituiu duas equipas, uma de especialistas para dar apoio legal aos clientes e outra para resposta rápida a eventuais incidentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurtech com ADN português reforça ciber-seguros nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião