loqr desafia seguradoras a acelerar transformação digital

  • ECO Seguros
  • 29 Janeiro 2020

A tecnológica nascida com foco na gestão segura de identidades digitais, transformou-se e cresce em diferentes sectores, nomeadamente apoiando as seguradoras na transição digital.

Mantendo o compromisso original de contribuir para “acelerar uma transição segura para o mundo digital”, a loqr apresenta-se às seguradoras com as funcionalidades da sua plataforma para proporcionar, por exemplo, a subscrição remota e digital de seguros on demand, em função das necessidades do cliente final.

Considerado um dos setores mais antigos, a transição para o mundo digital “acarreta inúmeros desafios para as seguradoras”, que ao longo dos últimos anos “têm vindo a fazer um grande esforço para apresentarem soluções aos seus clientes, que por sua vez são cada vez mais ‘digitais’. Estes não esperam menos do que uma experiência única, disponível a qualquer hora e em qualquer lugar, pelo que os produtos e serviços devem estar à distância de ‘um clique’”, explica Ricardo Costa, cofundador e CEO, ao Especial Insurtech – Eco Seguros.

A transformação digital “deve ser percebida como uma oportunidade que permitirá entre outras metas, tornar o setor mais competitivo, aumentar a fidelização dos clientes, reduzir custos e aumentar o crescimento do negócio”, afirma o responsável executivo da LOQR.

As insurtechs de venda de seguros “vieram desafiar o setor, oferecendo novas soluções e melhores experiências a este mercado. Com elevada expertise digital, compreendem as jornadas dos clientes, adequando-se aos seus diferentes dispositivos e assegurando processos digitais seguros e compliant”.

Notando que inúmeras seguradoras e brokers de seguros operam em diferentes países, enfrentando diferentes regulações, cada vez mais exigentes e complexas, Ricardo Costa explica que a plataforma omnichannel da loqr “apoia as seguradoras na transição para o mundo digital, porque mais do que oferecer sistemas que possibilitam a digitalização dos processos é também sobre o negócio que aportamos valor”.

Adicionalmente, “assegurar elevados padrões de segurança e de conformidade é outro dos grandes desafios sentidos pelos nossos parceiros para os quais apresentamos soluções na nossa plataforma que podem usar de imediato e com tempos de lançamento novos produtos digitais extremamente curtos”, reforça o empreendedor.

A loqr surgiu em 2015, fruto da vontade de três empreendedores que cruzaram o seu vasto conhecimento em cibersegurança, inteligência artificial e legal, complementado com uma experiência adquirida ao longo de anos de projetos desenvolvidos, como por exemplo, no âmbito do Cartão do Cidadão e do Passaporte Eletrónico.

Nos últimos dois anos “a nossa plataforma evoluiu e ajustou-se às expectativas dos nossos parceiros, clientes e das tendências de mercado, mas manteve a sua missão ‘to accelerate a seamless transition to a secure digital world’ que é o pilar da nossa visão ‘Empowering Digital Lives’ e para a qual trabalhamos todos os dias”, prossegue.

Na vertente financeira, a loqr realizou uma ronda de financiamento em março de 2018, tendo captado cerca de 1,1 milhão de euros junto dos seus investidores, nomeadamente, da EDP Ventures, BiG Start Ventures, Betwixt Ventures, RedAngels e investidores privados como Nuno Sebastião, CEO da Feedzai.

“Mais recentemente, a H Capital tornou-se também nossa acionista. Somos atualmente uma empresa sustentável e prevemos, até ao final de 2020, recorrer a mais uma ronda de financiamento. O capital possibilitará investir e reforçar a expansão internacional, evolução da plataforma e o reforço de investimento na tecnologia”, acrescentou ainda o responsável.

A loqr tem escritórios em Felgueiras, Braga, Lisboa e Londres, gerindo clientes em Portugal, Espanha, França, Noruega e China, mais concretamente em Hong Kong. A equipa, composta por 36 colaboradores, deverá registar um considerável aumento ao longo de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

loqr desafia seguradoras a acelerar transformação digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião