Ageas Portugal apoia startups apostadas em desafios sociais e ambientais

  • ECO Seguros
  • 16 Fevereiro 2020

O Mustard Seed Maze é um fundo de capital de risco que vem apoiar e dar escala a startups que impactem questões como alterações climáticas e desigualdade social. Ageas Portugal é um dos investidores.

O Mustard Seed Maze, fundo venture (capital de risco), inicialmente dotado com 30 milhões de euros, vem apoiar projetos europeus inovadores em estágios pré-semente (pre seed) e participar em rondas de ‘série B’ (fase inicial de crescimento).

Gerido por uma equipa liderada pelos associados cofundadores Henry Wigan (Mustard Seed) e António Miguel (Maze), o fundo é encabeçado pela Fundação Calouste Gulbenkian, integrando institucionais como a Ageas Portugal, o Social Impact Accelerator (um veículo PPP que foi o primeiro de ‘impacto social’ lançado no universo do BEI e é gerido pelo Fundo Europeu de Investimento) e a BMW, além de outros privados e investidores individuais.

“Para todos e cada investimento do fundo são definidas métricas de impacto social e ou ambiental”. A característica inovadora do fundo é a equipa de gestão (na componente desempenho) ser remunerada em função do “cumprimento de métricas de impacto social e ambiental de cada investimento e do portefólio como um todo, alinhando os incentivos com a tese de investimento”, explica a Mustard Maze.

“Hoje encontramos cada vez mais startups de alto potencial a nascerem ou mudarem-se para cá. Graças aos nossos investidores, o nosso fundo está numa posição privilegiada para fazer crescer o nosso ecossistema de impacto e tornar Portugal um terreno fértil para soluções inovadoras que resolvem desafios globais”, afirma António Miguel citado num comunicado institucional.

O Mustard Seed Maze não está fechado e espera reforçar a capacidade até aos 40 milhões de euros ao longo de 2020. A Student Finance, que mobilizou 1,15 milhões em ronda pré-semente, foi a primeira a beneficiar do fundo que vai escolher ‘early ventures’ pró lucrativas – portuguesas e europeias – focadas em soluções com impacto social e ambiental.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ageas Portugal apoia startups apostadas em desafios sociais e ambientais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião