AIG recupera de prejuízo em 2018 para lucros de 3,3 mil milhões

  • ECO Seguros
  • 17 Fevereiro 2020

O regresso à rentabilidade nos seguros gerais foi determinante na melhoria do desempenho financeiro, realça o CEO da AIG. No comunicado de resultados, companhia refere que alienou 77% da Fortitude Re.

A melhoria dos resultados reflete ainda menores perdas com catástrofes, este ano contabilizadas em 1,7 mil milhões; incremento no retorno líquido do investimento; e sobretudo, impacto favorável do resultado das operações em seguros gerais (ramo não vida) e resseguro, explica a instituição.

O negócio de seguros gerais (General Insurance) contabilizou 3,5 mil milhões de dólares de lucros antes de impostos, contra perdas de 469 milhões no ano anterior, refletindo a melhor gestão do negócio (na função subscrição) já que o valor líquido de prémios decresceu 13% (em termos reportados e câmbios constantes), detalha a informação da AIG. No fecho de 2019, a operação de seguros que gera a maior fatia de receitas do grupo fixou um rácio combinado de 99,6%, (111,4% em 2018).

Na área Vida e Pensões, o resultado da AIG passou de 3 190 milhões, em 2018, para is 3 458 milhões de dólares no conjunto do ano passado.

Citado no comunicado de resultados do grupo norte-americano, Brian Duperrault, presidente executivo (CEO) afirma: “A melhoria da nossa performance financeira teve base alargada, com contribuições de todos os segmentos, sendo mais notável o regresso à rentabilidade na subscrição dos seguros gerais”.

O resultado líquido do American Internacional Group Inc (AIG) ascendeu a 3,3 mil milhões de dólares a comparar com um negativo de seis milhões um ano antes. No entanto, em termos ajustados (itens de balanço reavaliados e atualizados em rubricas como dívida, perdas ou ganhos de capital, gastos de reestruturação, reservas, litigância, etc.), o lucro líquido atribuível a acionistas totaliza 4,09 mil milhões de dólares, a comparar em mais de 280% com 1,06 mil milhões apurados um ano antes.

No mesmo comunicado, a AIG indica que concluiu um acordo para vender uma participação maioritária da Fortitude Re, uma subsidiária de “legacy (categorias de seguro em descontinuação ou com responsabilidades de gestão complexas).

Em resultado da transação, pela qual a AIG alienou 76,6% do capital da Fortitude Re e embolsa 1,8 mil milhões de dólares, o controlo acionista desta sociedade passará, num prazo até meio de 2020, para o controlo do Carlyle Group e a da T&D Holdings.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AIG recupera de prejuízo em 2018 para lucros de 3,3 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião