AIG recupera de prejuízo em 2018 para lucros de 3,3 mil milhões

  • ECO Seguros
  • 17 Fevereiro 2020

O regresso à rentabilidade nos seguros gerais foi determinante na melhoria do desempenho financeiro, realça o CEO da AIG. No comunicado de resultados, companhia refere que alienou 77% da Fortitude Re.

A melhoria dos resultados reflete ainda menores perdas com catástrofes, este ano contabilizadas em 1,7 mil milhões; incremento no retorno líquido do investimento; e sobretudo, impacto favorável do resultado das operações em seguros gerais (ramo não vida) e resseguro, explica a instituição.

O negócio de seguros gerais (General Insurance) contabilizou 3,5 mil milhões de dólares de lucros antes de impostos, contra perdas de 469 milhões no ano anterior, refletindo a melhor gestão do negócio (na função subscrição) já que o valor líquido de prémios decresceu 13% (em termos reportados e câmbios constantes), detalha a informação da AIG. No fecho de 2019, a operação de seguros que gera a maior fatia de receitas do grupo fixou um rácio combinado de 99,6%, (111,4% em 2018).

Na área Vida e Pensões, o resultado da AIG passou de 3 190 milhões, em 2018, para is 3 458 milhões de dólares no conjunto do ano passado.

Citado no comunicado de resultados do grupo norte-americano, Brian Duperrault, presidente executivo (CEO) afirma: “A melhoria da nossa performance financeira teve base alargada, com contribuições de todos os segmentos, sendo mais notável o regresso à rentabilidade na subscrição dos seguros gerais”.

O resultado líquido do American Internacional Group Inc (AIG) ascendeu a 3,3 mil milhões de dólares a comparar com um negativo de seis milhões um ano antes. No entanto, em termos ajustados (itens de balanço reavaliados e atualizados em rubricas como dívida, perdas ou ganhos de capital, gastos de reestruturação, reservas, litigância, etc.), o lucro líquido atribuível a acionistas totaliza 4,09 mil milhões de dólares, a comparar em mais de 280% com 1,06 mil milhões apurados um ano antes.

No mesmo comunicado, a AIG indica que concluiu um acordo para vender uma participação maioritária da Fortitude Re, uma subsidiária de “legacy (categorias de seguro em descontinuação ou com responsabilidades de gestão complexas).

Em resultado da transação, pela qual a AIG alienou 76,6% do capital da Fortitude Re e embolsa 1,8 mil milhões de dólares, o controlo acionista desta sociedade passará, num prazo até meio de 2020, para o controlo do Carlyle Group e a da T&D Holdings.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AIG recupera de prejuízo em 2018 para lucros de 3,3 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião