Seguros de automóveis e de trabalho perdem 180 milhões. Governo está avisado

Os ramos de Acidentes de Trabalho e Automóvel voltaram a dar grandes prejuízos à indústria seguradora em Portugal. Presidente da APS quer ação do Governo para rever leis e incoerências.

Dados provisórios do ano de 2019 divulgados pela APS – Associação Portuguesa de Seguradores voltam a dar resultados muito negativos para os setores obrigatórios de Acidentes de Trabalho e Automóvel. São parte do setor Não Vida da atividade seguradora que, em 2019, significou 5,2 mil milhões de euros de prémios faturados. O restante até aos 12,2 mil milhões obtidos por todo o setor segurador foram obtidos pelo outro ramo: O Vida.

Nos ramos Não Vida o principal é o ramo automóvel que significa 35% dos prémios pagos em 2019, faturando 1,84 mil milhões de euros. No entanto, este seguro obrigatório causou um prejuízo estimado 66 milhões de euros se forem deduzidas aos prémios emitidos (1,8 mil milhões de euros) as indemnizações e despesas relacionadas com sinistros.

Ainda pior em resultados foi o ramo Acidentes de Trabalho, outro seguro obrigatório. Os prejuízos neste caso atingiram os 120 milhões de euros para receitas de cerca de 900 milhões de euros.

Outros ramos compensaram parcialmente como saúde/doença (42 milhões de euros positivos) e incêndio (126 milhões de euros) que, em conjunto com outros ramos com pouco volume, permitiu ao conjunto obter um resultado mínimo de 31 milhões de euros em 5,2 mil milhões de euros, ou seja, o rendimento operacional foi de apenas 0,4% das vendas.

“Temos alertado o Governo para a legislação vigente e para incoerências”

Confirmando a realidade dos prejuízos, resultantes essencialmente de danos corporais, e a preocupação quanto à anti-rentabilidade dos ramos acidentes de trabalho e automóvel, José Galamba de Oliveira, presidente da APS, afirma que tem de se “olhar para a legislação vigente e verificar se ela está adequada à realidade ou se revela incoerências”, o que – quer no caso dos acidentes de trabalho, quer no caso do automóvel-, indica que “há muitos aspetos que precisam de ser melhorados, não para pagar indemnizações globalmente mais baixas, mas para pagar indemnizações mais justas e adequadas à gravidade dos danos sofridos”. Conclui este tópico garantindo que tem “alertado o Governo para essa situação e para as situações de incoerência”.

José Galamba de Oliveira, pesidente da Associação Portuguesa de Seguradores, em entrevista ao ECO - 30MAI19
José Galamba de Oliveira: No ramo Automóvel, a fraude consome 10% do volume de prémios.Hugo Amaral/ECO

Para além do desequilíbrio da legislação, outro problema de fundo preocupa Galamba de Oliveira: “A fraude é uma realidade no setor segurador, e existem mesmo alguns estudos nesta indústria que apontam para valores importantes de fraude nos vários ramos”.

Segundo o presidente da APS “ Em Portugal, as estimativas das seguradoras sobre o impacto deste fenómeno não deixam dúvidas quanto à importância das medidas que visem a sua prevenção e combate. No ramo Automóvel, por exemplo, os sinistros suspeitos corresponderam, anualmente, a cerca de 8% do total de sinistros encerrados, estimando-se que o respetivo custo represente, aproximadamente, 10% do volume de prémios do ramo”.

Galamba de Oliveira considera ainda que um panorama semelhante caracteriza igualmente outros seguros de massa da atividade seguradora, como os de multirriscos ou de acidentes de trabalho.

Alerta ainda para o novo regime de proteção de dados: “Veio dificultar a implementação de mecanismos de deteção da fraude e que, ao contrário do que sucedeu noutros países, Portugal não aprovou medidas que permitissem ao setor segurador ser mais eficaz nesta área”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros de automóveis e de trabalho perdem 180 milhões. Governo está avisado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião