Eutanásia: projetos de lei esquecem seguros

  • ECO Seguros
  • 23 Fevereiro 2020

Os projetos de lei aprovados no Parlamento para despenalizar a eutanásia não articulam as implicações do evento de morte com os seguros. Associação de Seguradores lamenta ainda não ter sido ouvida.

A lei atual, em vigor há 12 anos, contempla os casos de suicídio e homicídio, mas é omissa para o caso da eutanásia.

Os cinco projetos de lei aprovados na semana passada correspondem às iniciativas do PS, BE, PEV, PAN e Iniciativa Liberal. No entanto, nenhuma das propostas preveniu uma solução que garanta o pagamento da indemnização de seguro aos beneficiários de titulares de apólices Vida.

Neste cenário, de acordo com informação recolhida junto da entidade setorial, a Associação Portuguesa de Seguradores (APS) lamenta não ter sido chamada ao debate para ajudar a “esclarecer dúvidas e incertezas sobre a matéria”. Adianta também desconhecer o impacto que a despenalização da eutanásia terá ao nível das apólices de seguros.

A APS alega ser “impossível” prever as implicações da lei da morte assistida, nomeadamente porque “os contratos de seguros de vida têm clausulados livremente ajustados entre as partes e foram celebrados em momentos muito diferentes, ao abrigo de normas e leis que também elas foram variando no tempo”.

Por isso, impõe esclarecer como ficam os beneficiários (herdeiros) de alguém que, sendo titular de um seguro de vida, recorra à eutanásia ou a morte medicamente assistida.

Nuno Luís Sapateiro, da sociedade de advogados PLMJ e especialista nas áreas financeira e bancária, disse ao jornal Público que “existem apólices que excluem a cobertura de morte que decorra, direta ou indiretamente, do uso de estupefacientes ou medicamentos sem prescrição médica. Ora, uma interpretação a contrario desta norma poderá sustentar a tese de que uma morte com recurso à eutanásia ativa estará coberta, uma vez que os fármacos letais terão sido prescritos por um médico”.

“A prática de mercado vai claramente no sentido de manter a exclusão [da cobertura], independentemente de se tratar de seguros de vida em geral ou fazerem parte do pacote de garantias associado ao crédito à habitação”, explica o advogado defendendo que o setor segurador deve ser ouvido, por ser aquele a quem caberá o eventual pagamento da indemnização do seguro, podendo ter que litigar com os herdeiros.

Noutros países, os modelos adotados para resolver a questão do enquadramento dos seguros Vida seguem orientações diversas. No Luxemburgo, introduziu-se uma emenda legislativa que considera a morte medicamente assistida como sendo de causa natural; na Austrália (estado de Victoria), a solução foi no sentido de considerar a doença de que padecia o doente como a causa da morte.

Nos EUA, nos estados onde a eutanásia se tornou prática legal, a indemnização do seguro Vida por morte assistida apenas é paga nos casos em que já tenha decorrido dois anos da subscrição do seguro.

De acordo com o Jornal de Notícias, o caminho para a solução pode estar nos projetos do PAN e do BE que consideram que a doença do requerente deve ser considerada a causa de morte.

A deputada Isabel Moreira (PS) adianta que “o procedimento de fim de vida ficará registado como tal, mas, a partir do momento em que é legal, ninguém poderá sair prejudicado”. A especificação desta e de outras matérias, não estando acautelada no articulado da proposta, “ficará para a fase da regulamentação” da lei.

Os projetos de lei aprovados na semana passada vão descer à comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos Liberdades e Garantias, onde os partidos com assento parlamentar tentarão conciliar um “texto comum”.

Segundo representantes dos partidos em declarações recolhidas pelo semanário Expresso, a versão final da lei deverá suprir a lacuna quanto ao pagamento dos seguros vida, garantindo que as situações de eutanásia não sejam equiparadas às de suicídio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eutanásia: projetos de lei esquecem seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião