Investimento em PPR afunda 68% no arranque do ano

  • ECO Seguros
  • 25 Fevereiro 2020

O ano começou pior do que acabou no mercado segurador Vida. O investimento em PPR baixou para menos de um terço do ano passado, levando todo o mercado a quebrar 13,4%.

A crise das baixas taxas de juro está instalada no começo do novo ano de 2020. Em janeiro, segundo dados divulgados pela APS – Associação Portuguesa de Seguradores, o conjunto do mercado baixou 13,4%, ou seja, os prémios emitidos baixaram de 1.323.428 para 1.145.847 euros.

Só o ramo Vida quebrou 33,6%, foram menos cerca de 220 milhões de euros em janeiro de 2020, comparando com igual mês do ano passado. Um dos principais reflexos desta tendência é que pela primeira vez o ramo Vida passa a significar menos de metade do mercado total: 38%.

Os ramos Não Vida tornam-se o principal motor do mercado e subiram 6,2%, mantendo-se a subir os ramos de Acidentes de trabalho (+11%), saúde/doença (+8%), Incêndio e Danos na área comercial e industrial (+11%) e automóvel (+7,4%).

Os PPR explicam a grande quebra de vendas que foi principalmente sensível no canal bancário que baixou 71%, uma perda de quase 140 milhões de euros num mês. As causas encontram-se no fraco rendimento destes produtos proporcionado pelas baixas taxas de juro, pelo fim dos produtos com rendimento mínimo garantido e pelo gradual desinteresse das seguradoras em comercializar produtos incapazes de proporcionar retornos satisfatórios aos clientes.

O desvio de investimentos no ramo Vida deu-se, entre classes relevantes em volume, para produtos de capitalização, que cresceu 27% e seguros de risco puro (+5%), que não compensaram as quebras provocadas pelo atual desinteresse no investimento em PPR.

Produção de seguro direto em janeiro 2020

Fonte: APS

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento em PPR afunda 68% no arranque do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião