Seguro de sementes germina em Moçambique com apoio internacional

  • ECO Seguros
  • 27 Fevereiro 2020

Fazer com que a população tenha conta bancária e acesso a outros serviços – como os seguros – são objectivos de um programa que tem apoio da cooperação internacional em Moçambique.

Além de um micro seguro de sementes acessível por telemóvel para proteger o pequeno agricultor isolado do risco de inundações ou ciclones, outros produtos inovadores e inclusivos poderão ser introduzidos para resolver constrangimentos do setor financeiro em Moçambique, nomeadamente junto da população rural de rendas baixas, os jovens e as mulheres.

O Financial Sector Deepening (FSD) Moçambique é um programa financiado pelo Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID, sigla inglesa) e pela Agência Sueca de Cooperação para promover a inclusão financeira, ou seja, fazer com que a população tenha conta bancária e assim acesso a outros serviços – como os seguros – que lhe permita melhorar a qualidade de vida, noticia a Lusa.

Num país onde se estima que só 9% a 10% dos 28 milhões de habitantes tenha conta no banco, apostar na bancarização, nem que seja por via digital, é o ponto de partida, explica Esselina Macome, diretora executiva do FSD, para quem a inclusão financeira tem um impacto muito mais abrangente.

O projeto de “micro” seguro para sementes é apenas um exemplo, mas encaixa-se na visão da organização para 2020, refere.

O objetivo é avançar na discussão acerca dos pontos de acesso de inclusão financeira – balcões, contas bancárias – e avaliar “como estão a ser usados e como contribuem para melhorar vidas”.

“Toda a nossa intervenção estará muito focalizada no setor da agricultura”, tendo também em atenção “os impactos das mudanças climáticas”, sem esquecer o acesso a habitação de qualidade, “com dignidade e serviços básicos”, sublinha.

O retrato do país justifica-o: estima-se que cerca de metade da população moçambicana vive na pobreza e a maioria pratica agricultura para subsistência e obtenção de algum rendimento.

“Estaremos desta maneira a ligar toda a nossa atividade, fazendo a pergunta: até que ponto o que nós fazemos contribui para o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável”, conjunto de metas universais estabelecidas pelas Nações Unidas, disse.

Os grupos alvo do FSD são as mulheres e os jovens, que constituem a maioria dos 28 milhões de habitantes de Moçambique, com a idade média a rondar os 16 anos.

No exemplo do seguro de sementes, após auscultações já realizadas, o FSD trabalha agora com as seguradoras, que espera venham a desenvolver “produtos para ‘micro’ seguros inovadores e inclusivos” na área digital.

“O digital tem de estar em todas as nossas vertentes”, não só pela facilidade de uso e eficiência, mas também porque o país tem uma densidade populacional baixa.

“Não é possível ter um ponto de acesso [a serviços] em cada local onde há população. Terá de haver um ponto de acesso digital” para as ferramentas de inclusão financeira – o que tem levado o FSD a trabalhar com o regulador de telecomunicações e empresas tecnológicas financeiras (fintech).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguro de sementes germina em Moçambique com apoio internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião