Covid-19: Já há 2.980 mortos e mais de 87 mil infetados. Veja a lista, país a país

  • Lusa
  • 1 Março 2020

A Organização Mundial de Saúde divulgou a lista com o número de mortos e de infetados pelo novo coronavírus. Veja a lista, país a país.

A epidemia de Covid-19, que teve origem na China, já infetou 87.161 pessoas em 60 países de cinco continentes, das quais morreram 2.980. Esta segunda-feira, foram detetados os primeiros dois casos de coronavírus em Portugal, sendo que um dos dos casos já foi confirmado e segundo está a aguardar a contraprova das análises.

Em conferência de imprensa, a ministra da Saúde, Marta Temido, adianta que o caso confirmado diz respeito a homem de 60 anos, que esteve de férias no norte de Itália, um dos focos de maior preocupação com o Covid-19 fora da China, e que se encontra internado no Centro Hospitalar do Porto. Ao mesmo tempo, o outro infetado e que ainda está sujeito a contra-prova, tem 33 anos e esteve em Valência, Espanha. O paciente está internado no Centro Hospitalar de São João. O teste vai ainda ser enviado para o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge. Estes dois casos foram avançados em primeira-mão pela SIC Notícias e entretanto confirmados pelo Ministério da Saúde.

Lista de países que reportaram infeções do novo coronavírus e mortes de acordo com a informação divulgada às 16:00 deste domingo pela Organização Mundial de Saúde (OMS):

Vítimas mortais

  • China – 2.873
  • Irão – 43
  • Itália – 41
  • Coreia do Sul – 22
  • Japão – 6
  • França – 2
  • Taiwan – 1
  • Filipinas – 1
  • Tailândia – 1
  • Austrália – 1
  • Estados Unidos – 2
  • Navio de cruzeiros Diamond Princess (Japão) – 6

Infeções

África

  • Argélia – 1
  • Egito – 1
  • Nigéria – 1

Ásia

  • China – 79.968
  • Coreia do Sul – 4.212
  • Irão – 593
  • Japão – 239
  • Singapura – 106
  • Kuwait – 45
  • Tailândia – 42
  • Bahrein – 40
  • Taiwan – 32
  • Malásia – 24
  • Emirados Árabes Unidos – 62
  • Vietname – 16
  • Iraque – 13
  • Israel – 7
  • Omã – 6
  • Índia – 3
  • Filipinas – 3
  • Líbano – 2
  • Paquistão – 4
  • Afeganistão – 1
  • Camboja – 1
  • Nepal – 1
  • Sri Lanka – 1
  • Qatar – 1
  • Arménia – 1

América

  • Estados Unidos – 62
  • Canadá – 19
  • México – 2
  • Brasil – 2
  • Equador – 1

Europa

  • Itália – 1.577
  • Alemanha – 150
  • França – 100
  • Espanha – 45
  • Reino Unido – 35
  • Suécia – 13
  • Áustria – 10
  • Suíça – 18
  • Noruega – 15
  • Croácia – 7
  • Holanda – 7
  • Dinamarca – 3
  • Geórgia – 3
  • Grécia – 7
  • Roménia – 3
  • Finlândia – 2
  • Rússia – 2
  • Portugal – 2
  • Bélgica – 6
  • Macedónia do Norte – 1
  • Lituânia – 1
  • Estónia – 1
  • Bielorrússia – 1
  • San Marino – 1
  • Azerbeijão – 3
  • Mónaco – 1
  • Irlanda – 1
  • Mónaco – 1

Oceânia

  • Austrália – 27
  • Nova Zelândia – 1

Outros

  • Navio de cruzeiros Diamond Princess (Japão) – 706

(Notícia atualizada às 10h50 de segunda-feira, 2 de março)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Já há 2.980 mortos e mais de 87 mil infetados. Veja a lista, país a país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião