Volatilidade impulsiona seguro de crédito a empresas, diz Aon

  • ECO Seguros
  • 2 Março 2020

Um estudo da Aon confirma que as soluções de seguro de crédito ajudam as empresas a crescerem em contextos de incerteza, mas apenas 20% dos CFO utiliza a totalidade de soluções disponíveis.

“O mercado dos seguros de crédito está a desempenhar um papel fundamental no crescimento contínuo das empresas”. Esta é a principal conclusão do ‘Driving growth through uncertain times: The hidden gemstones’, o mais recente relatório da Aon, que tem como objetivo analisar a relação entre as soluções de seguro de crédito e o crescimento das organizações face às incertezas globais.

De acordo com Stuart Lawson, CEO da área de soluções de crédito na região EMEA, “os líderes empresariais de hoje estão a enfrentar uma incerteza cada vez maior (…), ao mesmo tempo que estão a sentir uma crescente pressão para libertar capital e gerir o risco associado às suas cadeias de abastecimento”.

Para alcançar estes objetivos, acrescenta, “o seguro de crédito é uma ferramenta crítica, dado que permite às empresas usar de forma efetiva o mercado de crédito e capital para sustentar as suas ambições estratégicas e para assegurar um crescimento sustentável das organizações”.

De acordo com o relatório, as empresas que têm procurado expandir a sua atividade para mercados internacionais estão a enfrentar um crescimento da volatilidade causado por um ambiente macroeconómico cada vez mais incerto, que tem sido impulsionado sobretudo pela imprevisibilidade de acontecimentos como a tensão comercial entre os Estados Unidos e a China e o Brexit.

Para além disso, prossegue a Aon, “as mudanças no comportamento dos consumidores e o aumento das expectativas destes são igualmente fatores estimuladores do clima de incerteza e vulnerabilidade nas empresas”, enquanto a transformação digital e o surgimento de novos players têm provocado alterações no mercado de consumo.

Perante este cenário, o estudo releva ainda que “as empresas precisam de gerir estas incertezas ao mesmo tempo que investem em novas formas de crescimento”, o que origina pressões adicionais sobre as demonstrações financeiras, considerando que o acesso ao crédito esteja limitado.

Neste contexto, a Aon “salienta a importância do seguro de crédito como uma ferramenta de financiamento” face às atuais limitações. Estima-se que “o montante nocional de seguro de crédito que garante as exposições bancárias pendentes apresenta uma tendência de crescimento, tendo já excedido os 300 mil milhões de dólares, ou seja, mais de 276 mil milhões de euros”, nota a companhia britânica líder mundial de serviços profissionais com ampla gama de soluções de risco, reforma e saúde.

Apesar das vantagens dos seguros de crédito, o estudo alerta para o longo trabalho que é preciso ser feito ao nível da aceitação e consciencialização para este tipo de soluções. “Os dados recolhidos apontam para que apenas 20% dos CFO (Chief Financial Officers) estejam a utilizar a oferta completa de soluções disponíveis“, refere o comunicado que acompanha o estudo.

No final, nota a Aon Portugal, o relatório explora ainda o modo como a inovação, a data & analytics e a Inteligência Artificial no setor segurador “estão a dar aos clientes acesso privilegiado a informações que lhes permitem ajustar a sua exposição financeira, otimizar o working capital e conhecer o risco de crédito originado pelos principais clientes e mercados”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volatilidade impulsiona seguro de crédito a empresas, diz Aon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião