Há 381 crianças em risco de pobreza. Portugal está melhor do que a média europeia

Portugal tem cada vez menos crianças em risco de pobreza ou exclusão social e, em 2018, registava um cenário mais positivo do que a média da União Europeia.

O número de crianças em risco de pobreza ou exclusão social no país está nos níveis mais baixos da última década. De acordo com o Eurostat, existem 381 crianças nesta situação, o equivalente a 21,9% de toda a população. Estes números mostram que o cenário português é mais positivo do que o cenário europeu, que está nos 23,4%. No topo de tabela está a Roménia, com 38,1% das crianças nesta situação.

Desde 2009, ano em que começa a série do Eurostat, Portugal nunca teve tão poucas crianças (menores de 18 anos) em risco de pobreza ou exclusão social como em 2018. Antes deste, o número mais baixo tinha sido observado em 2017, ano em que havia 431 crianças nesta situação. Assim, em 2018, havia 381 crianças sob este risco, o equivalente a 21,9% de toda a população.

Portugal apresentava, assim, um cenário mais positivo do que a média da União Europeia (UE), que registava 23,4% de crianças em risco de pobreza ou exclusão social. Comparando com todos os 28 Estados-membros que existiam naquele ano, Portugal ocupava a 13.ª posição.

Crianças em risco de pobreza ou exclusão social na União Europeia | Fonte: Eurostat, 2018Eurostat

Em 2018, diz o Eurostat, havia mais crianças em risco de pobreza ou exclusão social do que adultos (22,1%) ou idosos (18,4%). Ainda nesse ano, havia um maior risco de pobreza ou exclusão social em pessoas solteiras com filhos dependentes.

No topo de tabela está a Roménia, onde 38,1% das crianças (1.404) estavam nesta situação, seguida da Bulgária com 33,7% (410 crianças) e da Grécia com 33,3% (607 crianças). Os riscos mais baixos foram observados na Eslovénia, com 13,1% em risco de pobreza ou exclusão social (50 crianças), seguida da República Checa com 13,2% (262 crianças) e da Holanda com 15,2% (515 crianças).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 381 crianças em risco de pobreza. Portugal está melhor do que a média europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião