Governo desaconselha viagens à China, Itália, Irão e Coreia do Sul

  • ECO
  • 8 Março 2020

O Ministério dos Negócios Estrangeiros emitiu uma nota com os destinos que devem ser evitados por causa do surto do coronavírus.

Tem viagens marcadas? O Ministério dos Negócios Estrangeiros recomenda a adoção de medidas preventivas relativamente a deslocações às regiões mais afetadas pelo coronavírus, o Covid-19. Num comunicado no Portal das Comunidades, o Governo desaconselha assim “qualquer viagem à província chinesa de Hubei, a diversas regiões de Itália”, mas identifica também outros locais “vermelhos”.

Segundo o comunicado, o Governo desaconselha também viagens “não essenciais” à China, Irão e à
Coreia do Sul (às cidades de Daegu e Cheongdo e à província de Gyeongsang-buk).

“Recomenda-se aos cidadãos que consultem os Conselhos aos Viajantes referentes aos países de destino em virtude de constantes alterações locais em países cujas autoridades estão a implementar medidas adcionais de proibição de entrada. Os viajantes devem ainda seguir atentamente as recomendações e orientações publicadas pela Direção-Geral da Saúde, pela Organização Mundial da Saúde e pelas autoridades de saúde dos países de destino, nomeadamente no que diz respeito às medidas de higiene”, lê-se nesta nota.

No caso de Itália, “a Embaixada de Portugal e os consulados honorários naquele país, embora em funcionamento, poderão ter as suas atividades condicionadas”, alerta o ministério tutelado por Augusto Santos Silva.

Por outro lado, o Governo recomenda que “as pessoas que regressem de áreas afetadas devem estar atentas ao surgimento de febre, tosse e eventual dificuldade respiratória”.

Recomenda-se ainda que se informem junto das companhias aéreas quanto ao eventual cancelamento de voos e junto das autoridades do país de destino quanto a eventuais restrições de entrada e à circulação que possam ter sido adotadas em resposta ao COVID-19, em especial no caso de o viajante ter efetuado deslocações recentes a áreas afetadas.

De forma a facilitar o contacto com os postos consulares em caso de emergência, aconselham-se os viajantes a efetuar o registo das suas viagens na aplicação Registo Viajante. Em casos de comprovada emergência consular, os cidadãos poderão contactar o Gabinete de Emergência Consular através dos contactos telefónicos + 351 217 929 714 ou + 351 961 706 472 e do endereço de correio eletrónico gec@mne.pt.

As pessoas que regressem de áreas afetadas devem estar atentas ao surgimento de febre, tosse e eventual dificuldade respiratória. Se surgirem estes sintomas, não se devem deslocar aos serviços de saúde, mas ligar para a linha SNS24 (808 24 24 24) e seguir as orientações que lhes forem dadas. Por regra não se recomenda qualquer tipo de isolamento de pessoas sem sintomas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo desaconselha viagens à China, Itália, Irão e Coreia do Sul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião