Impasse na OPEP leva Saudi Aramco abaixo do preço do IPO

  • Lusa
  • 8 Março 2020

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e a Rússia não chegaram a acordo quanto à estratégia para responder à queda no consumo global de petróleo.

As bolsas da Arábia Saudita e de outros países do Golfo negoceiam este domingo nos níveis mais baixos em vários anos, depois da falta de acordo entre a OPEP e a Rússia sobre cortes na produção de petróleo. Já a sofrer os efeitos da epidemia pelo novo coronavírus, Covid-19, a bolsa de valores da Arábia Saudita caiu 7,7%, a do Dubai desceu 8,5%, bem como o mercado do Kuwait e de Abu Dhabi, que registaram quedas de mais de 7%.

Também as bolsas do Catar, Bahrain e Omã abriram hoje a registar quedas de 3,5%, 3% e 1,1%, respetivamente. A participação da Saudi Aramco, “gigante” do petróleo, caiu pela primeira vez abaixo do preço da Oferta Pública Inicial (OPI), que era de 32 riais sauditas (8,5 dólares), atingindo 31,15 riais.

Na sexta-feira, em Viena, Áustria, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e a Rússia não chegaram a acordo quanto a mais cortes na produção de petróleo, para responder à queda no consumo global daquele combustível fóssil. A Rússia, um dos principais aliados da OPEP, opôs-se a um corte de produção destinado a conter a queda nos preços do petróleo, afetados pela epidemia do novo coronavírus.

Desde o início do ano, os preços do petróleo já caíram mais de 30%, devido à desaceleração económica causada pela expansão do Covid-19. Na sexta-feira, o fracasso da reunião em Viena fez afundar o preço do barril de Petróleo WTI (Petróleo Intermediário do Texas), na bolsa de Nova Iorque, em mais de 10%, para 41,28 dólares, e o barril de Brent em Londres, em mais de 9%, para 45,27, ambos caindo para níveis que já não se registava há quase quatro anos.

Esta queda também ocorre em plena crise política na Arábia Saudita, onde, na sexta-feira, as autoridades prenderam três príncipes, acusados de conspiração para derrubar o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impasse na OPEP leva Saudi Aramco abaixo do preço do IPO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião