“Nunca tivemos protagonistas mediáticos. Fazemos questão que as ideias falem mais alto que as pessoas”

Em menos de seis meses, o Iniciativa Liberal dobrou o número de membros, diz João Cotrim de Figueiredo. O presidente e deputado único do partido afirma que o crescimento é sustentado.

Enquanto o Chega de André Ventura dispara nas sondagens, o Iniciativa Liberal de João Cotrim de Figueiredo regista um crescimento mais modesto, mas o líder do partido não está preocupado. Em entrevista ao ECO, João Cotrim de Figueiredo garante mesmo que o ritmo de crescimento superou as expectativas e o número de membros dobrou, desde a ida às urnas de outubro.

O presidente do Iniciativa Liberal — eleito exatamente há três meses –, adianta ainda que o partido vai apoiar um candidato “mais recatado” que Marcelo Rebelo de Sousa na corrida à Presidência da República.

Enquanto deputado único, Cotrim de Figueiredo explica que as suas prioridades são baixar os impostos, simplificar a vida às empresas e introduzir concorrência entre os prestadores de serviços na Saúde, bem como lutar contra as alterações climáticas e não perder de vista a Justiça nacional.

Estreou-se na política como deputado único do Iniciativa Liberal, nesta legislatura. Que avaliação faz destes primeiros meses na Assembleia da República?

As autoavaliações são sempre coisas muito complicadas. Gosto sempre muito mais que sejam os outros a avaliar. Por acaso, fizemos balanços recentes dentro do partido sobre aquilo que tem sido a nossa atividade parlamentar e política e o balanço é claramente positivo. Do ponto de vista quantitativo, falo de um conjunto de pessoas que se aproxima todos os dias de nós. Temos, hoje em dia, talvez o dobro dos membros que tínhamos antes das eleições legislativas. [O partido] tem crescido sobretudo nas pessoas que se querem aproximar de nós para ajudar, para colaborar, para dar o seu apoio.

Quantitativamente, estamos bem, e qualitativamente também acho que estamos a conseguir fazer aquilo que era importante nessa fase: afirmar o partido como um partido relevante e não um epifenómeno, afirmar o partido como um verdadeiro simbolismo do liberalismo em Portugal, afirmar também uma espécie de contraste muito marcado entre aquilo que são as ideias dominantes na cena política portuguesa, estatizantes, socialistas e um conjunto de ideias claras do lado liberal. Estamos satisfeitos com este balanço que fazemos.

É hoje raro o problema grande com que Portugal se confronta que a primeira reação não seja aumentar a intervenção do Estado para a sua resolução, quando nós achamos que isso é parte do problema.

Entretanto, chegou também à liderança do seu próprio partido, a 8 de dezembro. O que é que mudou com esse novo cargo?

Mudou sobretudo que a juntar às responsabilidades parlamentares, que são absorventes, há responsabilidades partidárias, que não são menos. É verdade que, num primeiro momento, o Parlamento — até pela novidade e pela necessidade que tínhamos de não fazer má figura e entrar de uma forma assertiva — fez com que a organização do partido esteja a produzir os principais frutos a partir de agora. Temos uma comissão executiva muito capaz, com pessoas com grande vontade de mudar as coisas em Portugal e com competência técnica em cada um dos seus domínios. Aquilo que queríamos organizar em termos partidários está agora a começar a produzir os seus frutos.

Fala-nos de frutos, pergunto-lhe o que é que o Iniciativa Liberal trouxe de realmente novo à política portuguesa?

Desde logo, o facto de ser o único partido assumidamente liberal na cena portuguesa. Isto pode parecer um mero descritivo, mas é muito mais que isso. Nos últimos 20 ou 30 anos, Portugal tem sido ocupado por um conjunto de ideias que eu chamei há pouco de estatizantes e socialistas, que se têm alastrado a quase todos os domínios da política portuguesa e têm criado uma lógica assistencialista de dependência do Estado em quase todos os domínios. É hoje raro o problema grande com que Portugal se confronta que a primeira reação não seja aumentar a intervenção do Estado para a sua resolução, quando nós achamos que isso é parte do problema; é parte das razões para termos um desenvolvimento mais reduzido em Portugal do que em países que connosco se deviam comparar.

Aquilo que trazemos à política portuguesa é, sobretudo, o contraponto a esta ideia, uma ideia que não tem de ser hegemónica, não tem que ser a única ideia do nosso espetro político. É evidente para quem tem acompanhado, quer as nossas intervenções, quer os debates mais públicos, que começa a haver uma dicotomia entre uma visão socialista — em que o Estado tem responsabilidade sobre quase tudo — e uma visão liberal da sociedade, onde são as pessoas que têm de fazer o melhor que sabem pelo seu próprio futuro e pelo futuro das pessoas que lhe são próximas. As visões não eram contrastadas desta forma e acho que estamos a conseguir fazer isso. Se reparar, quando se discutem alternativas ao socialismo, é raro ouvir falar de outra ideologia que não seja o liberalismo.

Disse-me que o Iniciativa Liberal está efetivamente a conseguir captar mais pessoas. Tornou-se deputado único numa legislatura em que dois outros partidos conseguiram também eleger deputados únicos, que por sinal têm sido bastante polémicos. Acha que tem sido ofuscado por André Ventura e Joacine Katar Moreira?

Acho que, se isso for verdade, é propositado. O Iniciativa Liberal sempre se assumiu como um partido de ideias. Se reparar ao longo da nossa curto histórica, nunca tivemos protagonistas mediáticos e fazemos questão que as ideias falem mais alto que as pessoas. Isso tem implicações práticas, evidentemente. Não se cresce tão depressa. Não se tem essa visibilidade — muitas vezes à base de polémicas — mas produz um crescimento muito mais sustentado e muito mais sólido, sobretudo assente naquilo de que nunca nos arrependeremos que é a justeza das ideias.

Não verá no Iniciativa Liberal um partido com tendência a oferecer almoços grátis. Faremos sempre as propostas que acharmos, do ponto de vista do longo prazo, melhores para o país, mesmo que não sejam as mais populares no imediato.

João Cotrim de Figueiredo, presidente da Iniciativa Liberal, em entrevista ao ECOP - 03MAR20
Hugo Amaral/ECO

Dito isso, nas sondagens, o Chega tem conseguido um salto significativo. O Iniciativa Liberal cresce, mas menos. Como vê essa evolução?

Volto a dizer: estamos satisfeitos com isso. O nosso ritmo de crescimento é talvez até um bocadinho mais acelerado do que eu achei que íamos ter nesta altura. É este o caminho que queremos fazer. Outros farão o caminho que entenderem. A nossa visão de sociedade pode ser mais difícil de vender, mas é muito mais atraente e retém muito mais as pessoas do que outras que podem recorrer a populismos mais fáceis de entender.

Portanto, não reconhece problemas de afirmação da mensagem do Iniciativa Liberal enquanto partido?

Não. Se me perguntasse se gostávamos de ter mais expressão nas sondagens, com certeza. Mas não é essa a nossa preocupação, neste momento. Estamos satisfeitos com o andar da carruagem do ponto de vista quantitativo.

Está há quase seis meses na Assembleia da República. Que momento diria que foi o mais difícil neste período?

Há dois momentos marcantes. Um pela intensidade, que foi a discussão orçamental, e outro pela relevância, que foi a apresentação e discussão do projeto da eutanásia. Pela primeira vez, há um partido verdadeiramente liberal e nós somos liberais em todos os aspetos da vida: económico, político e também social. Ao defendermos a liberdade individual como centro das decisões políticas, termos um projeto apresentado com aquela pressão de tempo e com aquela qualidade, acho que foi um marco importante na vida parlamentar do partido.

Em relação ao Orçamento do Estado, que contributo do Iniciativa Liberal destacaria?

Participamos em todas as audições ministeriais que ocorreram na Assembleia da República, durante as três semanas. Penso que não há nenhum outro pequeno partido que possa dizer o mesmo. Em todas as elas interviemos e fizemos as críticas ao Orçamento e apresentámos as alternativas que gostaríamos de ver consignadas.

É verdade que não tivemos vencimento de causa em muitas. Tivemos noutras coisas que vieram a lume, com problemas de votação no caso do IVA da alimentação infantil. Tivemos alguns ganhos de causa em prescindir da autorização do Ministério das Finanças em algumas contratações na Saúde. Mas de facto o nosso objetivo, a curto prazo, não pode ser — por via da nossa dimensão — de influenciar Orçamentos ou legislação. É como dizia há bocado por no centro da discussão política as ideias liberais.

Espero, sobretudo, que se aproveite para fazer o trabalho de profundidade [sobre a eutanásia] que — mesmo depois de já ter sido a segunda vez que o tema é discutido em plenário — ainda não foi feito.

Em relação à questão da eutanásia, o diploma do Iniciativa Liberal acabou por ser aprovado, tal como foram aprovados todos os outros diplomas que estavam em cima da mesa. O que é que espera agora da discussão na especialidade?

Espero, sobretudo, que se aproveite para fazer o trabalho de profundidade que — mesmo depois de já ter sido a segunda vez que o tema é discutido em plenário — ainda não foi feito. As audições que faltem fazer, os aperfeiçoamentos que faltem fazer na lei para que o texto final possa, de facto, refletir o melhor dos projetos que entram agora em discussão na especialidade. Creio que é possível. Quando nos perguntaram se temos um dia limite para isso se verificar, dissemos que não. Estamos muito mais preocupados com a solidez e qualidade da versão final do que o prazo.

Ainda assim, qual seria a sua expectativa temporal para conseguir fechar este texto final?

É a primeira vez que vamos entrar num processo de discussão na especialidade. Ainda por cima, complexo como este é. Não temos uma expectativa baseada na experiência de quantos meses isto pode demorar. Se for um processo que dure até ao verão, não me espantaria.

Independentemente, da pessoa que protagoniza as ideias, o que deve contar são as ideias liberais na esfera política portuguesa.

Ainda sobre a questão de ser deputado único, André Ventura e Joacine Katar Moreira deram “má fama” ao ser deputado único, ao chamarem a atenção mais para si mesmo do que para o partido?

Entrámos com a intenção de, independentemente, da pessoa que protagoniza as ideias, o que deve contar são as ideias liberais na esfera política portuguesa e acho que temos conseguido fazer isso. Já hoje em dia as pessoas não misturam, em termos de capacidade política, consistência e coerência, o Iniciativa Liberal com qualquer outro partido, seja ele novo ou não na Assembleia da República.

Já falámos sobre como funciona a Assembleia da República, perguntava-lhe também se, perante as mudanças no panorama político, não devia ser equacionada uma nova forma de contagem de votos nas eleições legislativas?

A discussão do sistema eleitoral deve ser tida, até porque exige uma revisão constitucional, com grande ponderação. Achamos que há hoje um defeito grave, mas pequeno, que tem a ver com os círculos fora de Portugal, onde o processo embora tenha sido democratizado foi muito mal executado. E depois temos um problema que é a distância entre quem é eleito e quem vota, que um sistema eleitoral com uma componente uninominal, círculos uninominais, pode ajudar a resolver. Mas mais do que essa, eu gosto da solução que contém círculos de compensação, porque o que se está a passar em Portugal é que, por via da demografia, há muito votos que não contam para nada, acabam por não eleger ninguém. É possível um partido, com dispersão geográfica, ter centenas de milhares de votos e não eleger um único deputado.

E no mesmo sentido acha que faria sentido os votos brancos darem direito a lugares vazios na Assembleia da República?

Não.

Estamos preparados para apoiar alguém [nas eleições presidenciais] que tenha um perfil eminentemente liberal e uma forma de intervenção na política mais recatada do que aquela que tem sido a do Presidente da República.

Sobre as eleições presidenciais, o Iniciativa Liberal está a preparar-se para apoiar um candidato ou não o irá fazer?

Deixamos claro na moção de estratégia na convenção em que fomos eleitos que estamos preparados para apoiar alguém que tenha um perfil eminentemente liberal e uma forma de intervenção na política mais recatada do que aquela que tem sido a do Presidente da República. Portanto, a seu tempo apresentaremos essa pessoa ou essa pessoa apresentar-se-á e nós teremos ocasião de manifestar o nosso apoio.

Entre Ventura e Rebelo de Sousa, quem apoiaram?

Nenhum.

Tudo somado, quais são as vossas prioridades para esta sessão legislativa?

Vamos continuar a respeitar os nossos compromissos eleitorais, que [têm uma forte] componente fiscal. Tal tem maior incidência na altura da discussão do Orçamento do Estado, mas haverá outras coisas que podemos fazer fora dessa discussão. Posso dizer que estamos a preparar um pacote de medidas que visam descomplicar, desonerar e simplificar a vida às empresas, sobretudo às pequenas e médias. O projeto internamente é conhecido como frente de libertação dos empresários, porque tem sido uma classe muito pouco tida em conta nos últimos anos em Portugal e continua a ser o motor de boa parte da nossa economia.

Relativamente à juventude, temos uma série de assuntos que gostaríamos de trazer para cima da mesa. Também ter um contraponto à política estatal de habitação e políticas sobre ambiente, que é um tema que a esquerda se tem tentado apropriar e não há nenhum motivo para o fazer. Os países que melhor tratam o ambiente são países liberais e desenvolvidos. Esta coisa de termos de empobrecer para tratar do ambiente faz-nos a maior das confusões e achamos errada. Temos também a Saúde, com o evento sobre a ADSE, que será seguido de iniciativas legislativas. E não vamos perder de vista temas que lançamos relativamente ao pilar de justiça do Estado de direito.

Carlos Guimarães Pinto faz falta?

O Carlos Guimarães Pinto só não faz falta porque ele continua a colaborar connosco todos os dias. Não tem funções partidárias, deixou de ser presidente, por motivos que já foram explicados, mas continua a trabalhar todos os dias nas mais variadas matérias. Uma pessoa com a qualidade do Carlos não podemos dispensar.

E que perspetivas tem para o futuro do Iniciativa Liberal?

Crescer, crescer solidamente, afirmar o liberalismo e não deixar que o PS continue a contaminar o aparelho de Estado sem qualquer espécie de verdadeira oposição.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“Nunca tivemos protagonistas mediáticos. Fazemos questão que as ideias falem mais alto que as pessoas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião