Após maior queda dos últimos 30 anos, Wall Street valoriza 9%

As bolsas de Nova Iorque recuperaram da queda acentuada da última sessão e fecharam a semana com ganhos na ordem dos 9%.

Os principais índices de Nova Iorque encerraram a última sessão da semana em terreno positivo, recuperando do maior mergulho em mais de três décadas. Esta recuperação acontece depois de Donald Trump ter declarado o estado de emergência nacional, deixando os investidores esperançosos quanto ao surgimento de mais estímulos para colmatar uma recessão mundial causada pelo coronavírus, diz a Reuters (conteúdo em inglês).

O índice de referência S&P 500 subiu 8,98% para 2.703,40 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valorizou 9,34% para 7.874,23 pontos. Por sua vez, o industrial Dow Jones avançou 9,34% para 23.181,21 pontos.

Este desempenho acontece depois de Donald Trump ter declarado o estado de emergência nacional nos Estados Unidos, anunciado apoios de até 50 mil milhões de dólares (44,5 mil milhões de euros) para ajudar a colmatar os efeitos do coronavírus na economia. Este anúncio foi um sinal de esperança para os investidores, que ficam, assim, a aguardar por mais estímulos para evitar uma recessão mundial.

Nas empresas, também se verificou uma recuperação. As principais cadeias hoteleiras foram exemplo disso, com os grupos Marriott International, Hilton Worldwide Holdings e Hyatt Hotels, a encerrarem com subidas entre os 2% e os 5%. Por sua vez, a Apple avançou mais de 12%, tendo sido uma das principais impulsionadoras do S&P 500.

No mundo dos combustíveis, o preço do barril de petróleo também valorizou. O Brent subiu 6,26% para 35,25 dólares, enquanto o WTI valorizou 6,19% para 33,45 dólares.

(Notícia atualizada às 20h31 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após maior queda dos últimos 30 anos, Wall Street valoriza 9%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião