Fed vai injetar 1,5 biliões na economia, mas ainda assim Wall Street afunda 9%

Banco central norte-americano anunciou novos estímulos monetários. Mas não conseguiu animar os investidores e os três principais índices terminaram a sessão em "bear market".

Wall Street viveu mais um dia negro. Os três principais índices afundaram cerca de 9% com o mercado em bear market. A propagação da pandemia do novo coronavírus e a decisão dos EUA de fecharem a “fronteira aérea” com a Europa penalizou as ações, apesar de a Reserva Federal norte-americana ter anunciado uma injeção de 1,5 biliões de dólares no sistema financeiro.

O Dow Jones afundou 9,99% para 21.352,33 pontos, enquanto o S&P 500 tombou 9,51% para 2.480,63 pontos. Em ambos os casos, foi a maior queda percentual do índice desde a segunda-feira negra vivida em 1987. O tecnológico Nasdaq perdeu 9,43% para 7.201,80%. Os três principais índices estão oficialmente em bear market após terem fechado a sessão 20% abaixo dos últimos picos.

“Passámos de um bull market que durou mais de uma década para um bear market em três semanas. Nunca aconteceu”, diz Steven Santos, head of trading platforms do BiG – Banco de Investimento Global ao ECO. “Em 2008, sabíamos a razão, mas agora ninguém sabe. É uma reação muito exagerada por ser tão generalizada“, alerta.

O tombo das ações começou há três semanas com o agravamento do surto de coronavírus que já foi decretado pandemia pela Organização Mundial de Saúde. Mas têm sido as medidas anunciadas pelas autoridades a determinar os preços das ações. Esta quinta-feira, o presidente dos EUA Donald Trump anunciou a suspensão das entradas nos EUA de todos os viajantes com origem na Europa, excetuando Reino Unido. A medida terá a duração de 30 dias.

A notícia caiu como bomba, nas bolsas da Ásia, Europa e, mais tarde, Wall Street. A Reserva Federal norte-americana acabou por desacelerar as perdas ao anunciar uma injeção de 1,5 biliões no sistema financeiro e alargar a compra de ativos. Mas acabou por ter “um impacto apenas momentaneamente positivo nas ações”, como explica Santos.

“Serve apenas para garantir que o sistema financeiro tem liquidez suficiente para suportar a economia real. Nestes cenários de stress, o maior risco é haver falhas de pagamento ou defaults, porque pode ter um efeito de bola de neve. Ou seja, estas são medidas para tranquilizar o mercado obrigacionista e não medidas de apoio à economia ou estímulos monetários”, acrescenta o analista do BiG.

Esta nova medida segue-se a um corte de juros surpresa anunciado pela instituição liderada por Jerome Powell. A Fed reduziu a taxa diretora em 50 pontos base para um intervalo entre 1% a 1,25%, na semana passada, e os futuros do mercado monetário indicam que o banco central poderá fazer novos cortes, com 26% de probabilidade de a taxa de juro cair para 0% em dezembro (contra uma probabilidade de 5% em janeiro).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed vai injetar 1,5 biliões na economia, mas ainda assim Wall Street afunda 9%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião