Companhias aéreas europeias com quedas até 20% com bloqueio de Trump

A suspensão das entradas de viajantes europeus nos EUA está a afundar as ações das companhias aéreas europeias. Uma parte significativa das receitas assenta nas ligações transatlânticas.

Os EUA suspenderam todas as entradas no país de viajantes oriundos da Europa, uma decisão que deverá vigorar por um mês. Em plena pandemia do coronavírus, a medida de Donald Trump está a fazer precipitar as ações das companhias aéreas, que já estiveram a cair até 20%, confrontadas com mais esta leva de restrições às deslocações.

O Stoxx Europe 600 Travel & Leisure, que acompanha o desempenho de 17 ações ligadas ao setor das viagens e lazer, afunda 9,40% com a queda acentuada do preço dos títulos das principais companhias aéreas da Europa.

A Lufthansa já esteve a cair 10% em Frankfurt. As ações do grupo alemão desvalorizam agora 8,64%, para 9,31 euros, uma queda superior a 39% face ao último pico, de 15,40 euros, alcançado a 19 de fevereiro, na semana antes do início da derrocada nos mercados de capitais em todo o mundo.

O sentimento negativo é transversal a todo o setor da aviação civil, com a Air France a perder 14,72%, para 4,16 euros. As duas principais low-costs, Ryanair e easyJet, recuam 7,53% e 7,14%, respetivamente, para 10,31 euros e 858,95 pence. Já o grupo ICA, dono da Iberia, regista uma perda de 9,60%, para 353,69 pence.

À Reuters, o analista Neil Glynn, do Credit Suisse, explicou que a rotas transatlânticas são “o principal motor de crescimento” das companhias aéreas europeias. Cerca de 20% a 30% das receitas advêm deste tipo de ligações, pelo que os investidores anteveem um impacto significativo destas medidas de contenção do vírus nas próximas semanas e, potencialmente, prolongando-se mesmo durante o verão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Companhias aéreas europeias com quedas até 20% com bloqueio de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião