Tranquilidade avisa comerciais que mantém objetivos de venda

  • ECO Seguros
  • 13 Março 2020

A seguradora não quer deixar a crise baixar a faturação e orientou a rede comercial e de mediadores a contornar o coronavirus. Turismo e transportes são os setores mais preocupantes.

A Tranquilidade dirigiu uma mensagem à sua rede comercial – a que ECOseguros teve acesso – salientando que não baixou os seus objetivos comerciais e aproveita o momento para impulsionar as relações digitais com os clientes e com mediadores. A companhia afirma aos parceiros comerciais que apenas “temos de mudar, face a condições extraordinárias e que esperamos de curta duração, a forma como nos relacionamos”.

Na mensagem é dado enfoque às cobranças aos clientes afirmando a companhia que os parceiros comerciais “devem estar especialmente atentos a situações de atraso de cobrança, já verificadas ou eminentes, especialmente nos setores económicos mais expostos aos efeitos desta crise”, acrescenta a companhia.

Os setores de atividade especificados na mensagem são turismo e restauração, transportes de passageiros e mercadorias. A Tranquilidade recomenda ainda a opção pela comunicação digital com Clientes e a opção pelo débito em conta, para ultrapassar constrangimentos na expedição física de documentos contratuais e financeiros e eventuais atrasos de pagamento que possam daí advir.

A companhia reafirmou aos parceiros que tem implementado medidas de prevenção e contenção, em cooperação com a AdvanceCare e com a Europ Assistance e que colocou em prática o Plano de Continuidade de Negócio sempre ajustado por uma equipa de crise criada especificamente para a crise Covid-19.

A Tranquilidade revela na mensagem que está a querer transformar a crise numa oportunidade para testar novas formas de trabalho e comunicação com recurso a meios digitais. Refere que se vão manter as rotinas comerciais mas, em linha com as recomendações da DGS, “as visitas presenciais só serão realizadas em caso de absoluta necessidade, devendo usar-se meios remotos como telefone, email, skype ou whatsapp, meios que são igualmente recomendados para as relações com os clientes.

A companhia também se refere aos centros clínicos, reboques e rede de oficinas, afirmando não existirem alterações relativamente aos habituais procedimentos, ressalvando apenas a necessidade de adaptação a casos em que os fornecedores suspendam a atividade e em que os processos terão de ser encaminhados para outros.

“Sensibilizar os clientes no sentido de limitarem os contactos com a seguradora e com o mediador aos casos de estrita necessidade” é outra recomendação da mensagem, acrescentando que, internamente, a seguradora está a adotar parcialmente o teletrabalho, num modelo que não põe em causa a operação e atividade comercial.

Relativamente às questões relacionadas com a cobertura de determinados riscos, no atual contexto de declaração de pandemia, a Tranquilidade reafirma o seu alinhamento com o constante no comunicado hoje emitido pela APS – Associação Portuguesa de Seguradores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tranquilidade avisa comerciais que mantém objetivos de venda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião