Markit prevê contração de 1,5% da economia do euro em 2020

  • Lusa
  • 18 Março 2020

Consultora diz que a pandemia da Covid-19 vai provocar "graves danos, através do comércio, das viagens e do turismo, dos mercados financeiros e do sentimento [de receio da população]".

A consultora britânica IHS Markit antecipou esta quarta-feira uma recessão na zona euro, devido ao impacto do novo coronavírus, prevendo uma contração de 1,5% em 2020, mas recuperando com um crescimento de 1% em 2021 e de 1,4% em 2022.

Segundo a entidade, a pandemia da Covid-19 vai provocar à economia da zona euro “graves danos, através do comércio, das viagens e do turismo, dos mercados financeiros e do sentimento [de receio da população]”.

A IHS Markit aponta para uma vulnerabilidade especial da Itália, dado o atual estado fragilizado da sua economia, aliado à alta incidência da Covid-19 e às restrições resultantes na atividade económica. Já a Alemanha deve ser fortemente afetada pela queda das exportações da China, especialmente pela significativa redução das vendas de veículos ligeiros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram. Das pessoas infetadas, mais de 84.000 recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se já por 170 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou esta quarta-feira o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que na terça-feira. O número de mortos no país subiu para dois.

Esta noite, o Presidente da República decretou o estado de emergência em Portugal, por 15 dias, devido à pandemia de Covid-19. O anúncio foi feito por Marcelo Rebelo de Sousa numa comunicação ao país, a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, depois de ouvido o Conselho de Estado, ter obtido o parecer positivo do Governo e a aprovação do decreto pela Assembleia da República, em Lisboa.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Markit prevê contração de 1,5% da economia do euro em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião