Medidas apresentadas pelo Governo “não são suficientes”. Imobiliário pede uma “linha de crédito particular”

O imobiliário está insatisfeito com as medidas apresentadas pelo Governo para fazer face às consequências do coronavírus, defendendo que estas não protegem as empresas do setor.

O Governo apresentou esta quarta-feira um conjunto de medidas económicas para fazer face à pandemia mas, para o mercado imobiliário, estas não são suficientes, nem protegem as empresas do setor. Assim, a associação que representa as empresas imobiliárias pede uma linha de crédito particular, justificando que “o imobiliário é um dos principais responsáveis pela recuperação da economia”.

“O imobiliário nunca é bem tratado. Apesar de todo o trabalho que temos desenvolvido e da importância que, comprovadamente, revelamos ter no panorama económico nacional, continuamos a ser tratados como os maus da fita a quem só se atribuem as culpas de tudo o que acontece“, começa por dizer o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), citado em comunicado.

“Foram promovidas medidas específicas para a restauração, turismo e indústria, por exemplo, mas o imobiliário também tem de ser incluído neste cenário com uma linha de crédito particular para o setor“, continua, explicando que “as empresas não vão conseguir liquidez neste período que obriga ao isolamento social”.

Afirmando que, neste momento, o mercado pode até nem ser prioritário, Luís Lima diz que “quando vier o tsunami económico”, não tem dúvidas de que, “mais uma vez”, o imobiliário será “um dos setores chave” para ajudar o país a recompor-se. “Precisamos de ser respeitados e acarinhados por quem nos governa, e merecemos esse reconhecimento, que neste momento tem de ser feito através do apoio a estas empresas”, reforça.

Para o representante das empresas imobiliárias, “o imobiliário é um dos principais responsáveis pela recuperação da economia nacional” e, neste momento, “mais de 40 mil pessoas dependem diretamente deste setor”. No ano passado, disse, estima-se que o imobiliário tenha gerado mais de 27 mil milhões de euros de investimento direto, dos quais cerca de 19 mil milhões foram da responsabilidade das empresas de mediação imobiliária.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Medidas apresentadas pelo Governo “não são suficientes”. Imobiliário pede uma “linha de crédito particular”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião