Imobiliário pede apoios contra o coronavírus. Situação “exige medidas inéditas”

As imobiliárias pedem ajuda para enfrentar a pandemia. Defendem que o Estado deixe cair as penhoras, mas também que a banca conceda moratórias.

O coronavírus também já está a afetar o imobiliário, com os investimentos a serem adiados. Por isso, o setor pede mais apoios do Estado para as empresas, nomeadamente a suspensão de penhoras. A associação que representa as empresas imobiliárias defende ainda que os bancos concedam moratórias, tal como aconteceu em Itália.

“Com o número de viagens a diminuir e com as recomendações das autoridades de saúde, é natural que a procura no imobiliário sofra uma quebra, até pela tendência global do adiamento de investimentos“, refere o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), citado em comunicado.

Luís Lima pede, assim, ao Governo “medidas específicas de proteção”, dado que “as micro, pequenas e médias empresas, em particular, terão uma maior dificuldade em assumir os seus compromissos. “Os direitos e deveres dos trabalhadores devem ser naturalmente salvaguardados, mas as empresas também, caso contrário, será impossível garantir a manutenção dos postos de trabalho existentes”, diz.

Além disso, pede uma “ação efetiva por parte do Estado junto do setor financeiro, para que a banca tenha um papel de apoio às empresas, e não de aproveitamento perante eventuais situações de incumprimento motivadas pelas dificuldades de faturação que as empresas irão enfrentar neste período”.

Para o presidente da APEMIP, “esta é uma situação inédita e, por isso, exige medidas inéditas”, sublinhando que a questão das moratórias é importante e que até já está a ser aplicada em Itália, onde foram suspensos os pagamentos das prestações de crédito à habitação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imobiliário pede apoios contra o coronavírus. Situação “exige medidas inéditas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião